Cruz

Por Thiago Schadeck

Que Evangelho é esse que tem desprezado a salvação e exaltado os bens dessa terra, que valoriza o ter ao ser, que vocifera que se alguém é pobre ou doente está em maldição, mesmo sabendo que Cristo se fez maldito em nosso lugar (Gálatas 3:13). Para os adeptos desse “novo” Evangelho, a Cruz de Cristo é apenas mais um acessório mistico, que se bem usado é um amuleto potente, tal e qual os lenços, as canetas ungidas, os copos d’água em cima do rádio/TV para receber a oração do “homem de Deus”. 

Que evangelho é esse que faz dos cantores grandes artistas e paga altíssimos cachês travestidos de ofertas. Se não cumprir as exigências, que não são poucas, desses astros, eles simplesmente não aparecem. Que igrejas são essas que enforcam seus orçamentos e esfolam seus membros para trazer um mercenário desses se dizendo adorador. Que Evangelho é esse que cobra entrada para as pessoas entrarem na igreja e adorar a Deus com o “levita” famoso e os fãs além de pagar, esperam por horas para garantir uma foto e um autógrafo.

Que Evangelho é esse que pastores usam de poder para calar a boca dos membros, que lançam mão do “não toqueis nos meus ungidos” a cada vez que é questionado. Pastores esses que não tem qualquer abertura para o diálogo e comunhão com seus membros pelo simples fato de ter medo de perceberem que ele é uma pessoa normal que acerta e erra e vez por outra peca. Pastores que usam a Bíblia para manipular a vida das ovelhas e tê-las sempre debaixo de seu cajado – no pior sentido possível. Deixo claro que devemos honrar e respeitar nossos pastores, mas antes devemos avaliar se ele é digno de ser imitado, seguindo a orientação de Hebreus 13:7 e 17.

Que Evangelho é esse que vive à margem da sociedade e não faz qualquer diferença na vida daqueles que nos cercam. Que os “evangélicos” se igualam aos “do mundo” e cometem toda espécie de barbárie que os que não entregaram a vida a Cristo. Mentem, roubam, puxam tapetes, brigam, caluniam, traem e tudo mais que não presta, para tirar vantagem e dizer que Deus o abençoou. Na verdade o Diabo que tem lhe guiado! Os verdadeiros filhos de Deus estão sendo regenerados e a cada dia lutam para ser novas criaturas (2 Coríntios 5:17). O sal que não tempera não faz diferença e só serve pra ser pisado pelos homens (Marcos 9:50)

Que Evangelho é esse que precisa de atrativos para alcançar as pessoas, então utiliza-se de baladas, festas juninas, MMA, feijoadas com pagode e tudo mais que o mundo puder oferecer à Igreja e não o contrário. A vantagem é que fazemos tudo isso e colocamos o sobrenome de “Gospel”, assim ficamos isentos às críticas. Para atrair os jovens agimos como verdadeiros retardados, tiramos foto cheirando a Bíblia como se fosse cocaína e alegamos ser “loucos por Jesus”, mas na prática não cometemos a “loucura” de pregar de graça e sem anúncios. Nos vestimos como “emos” para não aparentarmos a idade e alcançar os jovens que não querem compromisso com Igreja. Falamos em gírias como se toda a Igreja fosse capaz de compreender – a contextualização é válida, desde que não ofenda ninguém, inclusive Cristo – porque não posso parecer um “mané”, pois os jovens não querem ser quadrados como os crentes.

Que Evangelho é esse que atrela o agir de Deus com contribuições financeiras, onde quanto mais você semeia no MEU ministério, mais Deus te dá. Que coloca Deus como um empregado louco por uma gorjeta. Um Evangelho que o dízimo perdoa pecados e amarra demônios, tomando o lugar do sangue de Jesus. Chegam a sandice de dizer que o único demônio que não pode ser repreendido pelo nome de Jesus é o devorador, porque esse só sai mediante o pagamento – exatamente, PAGAMENTO – do dízimo. 

Que Evangelho é esse que traz as pessoas à Igreja porque lá tem um “homem ou mulher de Deus” que revela até o RG, que derruba pessoas com sopro ou paletó, que cura apenas com um toque, que faz cirurgia espiritual. Pastores que em uma hora do que deveria ser uma pregação lê, quando lê, um versículo e no restante do tempo fala de como Deus o usa, como tem poder para detectar, amarrar, entrevistar e expulsar demônios. O nome do diabo é doce na boca desses “pregadores”. Ao invés de anunciarem a grandeza do nosso Deus, preferem falar da força que o Diabo tem sobre a vida daqueles que ainda não receberam sua oração forte.

Que Evangelho é esse que constrói mega-templos, “cidades”, templo de Salomão pelo simples luxo de dizer que é o maior templo do Brasil e quiçá do Mundo. Templos que custam uma verdadeira fortuna para serem construídos e fortunas não tão menores para manutenção da estrutura que não serve aos membros. Se quiser construir esses templos faraônicos, que tenha espaço para alfabetização, cursos profissionalizantes como informática e inglês. Não, o lugar é santo e não podemos misturar o santo com o profano.

Esse, certamente, é o outro Evangelho que Paulo alertou ao povo de Gálatas, que se desviou rapidamente do que o Apostolo dos Gentios havia penado para lhes ensinar. O nosso coração é como o do povo da Galácia, que tende sempre a procurar o nosso bem estar e ajustar a Bíblia aos nossos desejos mais espúrios e termos a consciência “tranquila”.

Que Deus nos abençoe e nos dê forças para lutarmos pela Igreja e pelo Evangelho de Cristo. E para resumir, fico com a definição que o Apostolo Paulo deu ao Evangelho em I Coríntios 1:16

Não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego.

 

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s