Por que a Igreja não pode ser de ESQUERDA?

Igreja de esquerda

Por Thiago Schadeck,

Obviamente que nenhum sistema político cabe na Igreja. Ela é muito maior e veio muita antes de qualquer definição política ideológica. Isto, porém, não nos isenta de combater aquilo que há de mal nos regimes e ideologias que vão contra nossa fé.

Os ideais da esquerda são extremamente nocivos à nossa crença. A maioria deles vai contra a Bíblia, nossa única regra de fé e prática. Lembrando que tem muita gente de dizendo de direita, mas que é muito alinhado aos objetivos da esquerda, os tais sociais democratas.

A esquerda divide:

A propaganda eleitoral é muito propícia a identificar o discurso de divisão da esquerda. É normal ouvir que vai lutar pelos “trabalhadores”, mulheres trabalhadoras”, “mulheres negras” “homossexuais”, “homossexuais negros” e por aí vai.

Essa divisão é muito clara. Eles segmentam a sociedade de forma que consiga formar grupos minúsculos e que possam pretensamente defender. Seu discurso sempre contrário aos homens, brancos, ricos e conservadores, por exemplo, mostra que esse discurso não cabe na Igreja.

Lembrando que Cristo não faz acepção de pessoas para compor seu Corpo. Na Igreja são integrados os ricos e os pobres, onde quem pode colabora e quem não pode, recebe; homens e mulheres, onde cada um cumpre seu chamado na edificação do Corpo e assim por diante. Todos tem lugar e função no Corpo de Cristo e ninguém pode ser excluído desse privilégio.

A esquerda resolve os problemas à força:

Não critico, de forma alguma, quem luta por seus ideais e se entrega de verdade para alcançar seus objetivos. Porém, se olharmos ao longo da história, todos os governos comunistas, que são os ídolos da esquerda, mataram muito para ascender ao poder e em seguida instauram a ditadura.

Che Guevara, ídolo de muitos desavisados, matou muita gente (incluindo gays e negros) para poder implantar sua “revolução”. Zumbi dos Palmares, que tem até feriado em sua homenagem, nunca lutou pela libertação dos escravos, mas pela sua liberdade e direito de ter escravos. Sim, Zumbi tinha escravos e os torturava quando tentavam fugir. Isso sem contar quantas pessoas foram mortas nos regimes de Mao, Lênin, Fidel Castro, Maduro e na China e Coréia do Norte, que vivem há anos debaixo de governos comunistas.

A teologia da missão integral, por exemplo, tem alguns de seus expoentes defendendo uma luta armada e que cristãos saiam para a guerra para matar em favor de seus ideais.

O ateísmo é a base da esquerda:

Nos governos de esquerda a liberdade de culto inexiste. Pior que isso, eles perseguem e matam cristãos que arriscam suas vidas para levar o amor de Cristo ao povo que sofre debaixo da égide dos ditadores. Qualquer material cristão é destruído e quem o portar terá problemas sérios com a justiça.

Sugiro que você leia o livro “O Contrabandista de Deus”, escrito pelo Irmão André, fundador da Missão Portas Abertas. Nele, há diversos relatos de suas viagens à União Soviética no auge do comunismo. Não foram poucas as vezes que ele dependeu de uma intervenção divina para se sair ileso, isso porque ele estava cometendo o grave crime de carregar bíblias para dentro da “cortina de ferro”.

Assim como na Roma bíblica os imperadores criam ser Deuses, nos governos comunistas o “presidente” (ditadores que se perpetua na canetada) também quer receber adoração. Assista os vídeos em que eles aparecem em meio ao povo e como são venerados. Isso não por sua benevolência, mas pelo seu forte braço que pune os discidentes. Lembra da fornalha de Nabucodonosor e os três hebreus? Ela continua sendo usada, agora com outros nomes, mas com punições tão severas quanto.

Os governos de esquerda mataram milhões de pessoas ao longo da história e continuam matando todos os dias. Você acha que é esse tipo de ideologia que deve ser pregada na igreja?

Deus tenha misericórdia de nosso país!

3 Lições sobre o ESPINHO NA CARNE de Paulo

3 Lições sobre o ESPINHO NA CARNE do apóstolo Paulo

Por Thiago Schadeck

Existem muitas especulações acerca do que seria o espinho na carne do Apóstolo Paulo. O objetivo aqui não é entrar nessa discussão e nem afirmar o que a Bíblia não diz. O mais importante, imprescindível, eu diria, é tirarmos lições que sejam práticas para nossas vidas e espiritualidade.

Vejamos os três pontos mais importantes dessa passagem:

  1. A experiência com Deus que trouxe o sofrimento:

    “Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar.” (2 Coríntios 12: 7)
    Paulo havia tido uma revelação maravilhosa, foi arrebatado até o terceiro céu e viu coisas que ao homem não é permitido dizer. A experiência foi tamanha que Deus, conhecendo o coração enganoso do homem, permitiu que fosse colocado o espinho na carne dele. Muitas vezes queremos nos aprofundar em nosso relacionamento com Deus, mas não estamos dispostos a sermos esbofeteados por um mensageiro de Satanás, de forma que isso nos manterá firmes no único propósito válido para um cristão: dar toda honra e glória a Deus!Nem sempre Deus vai nos responder na primeira oração:

  • “Três vezes roguei ao Senhor que o tirasse de mim.” (2 Coríntios 12: 8) Essa teologia maldita que diz que Deus está sempre pronto a nos responder e que Ele sempre está ao nosso dispor cai por terra. Não apenas na passagem em questão, porque alguns podem dizer que Paulo não teve fé, mas também com Jesus no Getsêmani, que orou por três vezes pedindo para o Pai passar dele o cálice. Deus é soberano e sabe exatamente o momento de responder a oração e nem sempre será com um sim ou um não, por diversas vezes a resposta de Deus é o silêncio, como nas duas primeiras orações de Paulo. Se o silêncio de Deus não nos aproxima Dele é porque queremos um resolvedor de problemas e não um pai.
  • A graça de Deus nos é suficiente:

    “Mas ele me disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim.” (2 Coríntios 12:9)

    Ouvir de Deus que a graça Dele já é o suficiente é um bálsamo para a alma. Ela que nos garante a salvação, apesar de nossos erros e falhas, a graça que nos leva para mais perto de Deus e nos torna seus filhos. A graça tira todo o nosso mérito e deposita em Deus, ela nos humilha e exalta a Deus, que é o único digno de honra e glória. Um coração orgulhoso jamais se alegrará em ouvir isso, mas o servo, que reconhece ser o pior dos pecadores se regozija como se tivesse encontrado o maior dos tesouros, final Cristo nos resgatou das trevas e nos levou para a luz. Nos tornou herdeiros com ele do Reino do Pai.

Provavelmente por conta do espinho na sua carne e a resposta de Deus, Paulo escreveu um dos mais inspiradores trexos da Bíblia:

“Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles. Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno. (2 Coríntios 4:16-18)

Paulo chama de leves e momentâneos o que para nós, provavelmente, seria algo insuportável: prisões, náufragos, traições, apedrejamento, chicotadas e açoites, mordida de cobra, abandono, frio, fome e por aí vai. Definitivamente, a vida dele foi muito difícil, mas o que o impulsionava à diante era o fato de saber que essa vida é curta e passageira, portanto o que mais importa é o que está além dela, a glória eterna ao lado de Deus.

Que Deus te abençoe e edifique com essa reflexão.

UM POLICIAL CRISTÃO PODE MATAR?

Um policial cristão pode matar?

Por Thiago Schadeck

Sei que essa pergunta pode gerar várias interpretações, mas a que certamente vem à mente da maioria das pessoas é a de um policial armado atirando por aí, como uma espécie de Rambo. Porém não é disso que este texto trata.

Este texto não trata de milicianos que saem matando ao seu bel prazer, eliminando quem se opõe a ele. O objetivo aqui é falar sobre o policial honesto, que decidiu entrar nas forças armadas para cumprir sua vocação de defender a população. Isso, com certeza, o coloca em situações de combate que o fazem ter de escolher matar ou morrer.

Quando Paulo fala sobre a submissão às autoridades, em Romanos 13, deixa claro que

“Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal.” (Romanos 13:3-4)

O policial é um agente público que tem como principal obrigação defender a sociedade daqueles que vivem fora da lei e para isso deverá usar, quando necessário, as armas que tem em mãos. Ele deve sempre prezar pela vida, tanto dele quanto a do bandido, porém existem situações que ele será obrigado a escolher qual dos dois sairá vivo. Como qualquer um de nós ele vai preferir ficar vivo.

Gostaria de compartilhar a história de um amigo policial:

“Numa abordagem de rotina ele pediu que os ocupantes de um carro parado no semáforo descessem para serem revistados. Quando ele abriu a porta da viatura, o motorista do carro abordado deu ré em alta velocidade e o prensou entre a porta e a viatura. Ele quebrou a bacia e ainda assim saiu em perseguição ao carro que passou a fazer barbaridades no trânsito.
Quando finalmente conseguiu emboscar os bandidos, ele percebeu que estava exatamente na linha de tiro. Teve de tomar uma decisão rápida para sobreviver e quase que por impulso alvejou o ladrão, que morreu no local.”

Na sua opinião, esse meu amigo agiu errado? Se sim, o que você faria no lugar dele então?

É obvio que os excessos existem e devem ser severamente punidos, mas precisamos valorizar o bom policial. Eles arriscam suas vidas todos os dias para nós desfrutarmos do mínimo de segurança. Lembre-se de como ficou o estado do Espírito Santo quando os policiais de lá decidiram fazer greve.

Os policiais saem para o trabalho e não sabem se verão suas famílias e amigos novamente. Infelizmente muitos não tem a sorte de voltar para a casa.

Oremos pelos policiais e que Deus os proteja!