10 coisas que a igreja local pode fazer por um missionário

1. Oração (É a coisa mais importante);
2. Sustento financeiro (É uma das mais necessárias. Sua igreja local talvez não possa contribuir com valores altos, mas R$ 100,00 mensal para um missionário pode ser muita coisa);
3. Encorajamento (Todo missionário ama ser encorajado e desafiado, uma palavra de encorajamento pode mudar nossa semana);
4. Manter uma comunicação semanal aberta entre os membros da igreja local e os missionários (envio de cartas ou e-mails);
5. Enviar seus membros de tempo em tempo para auxílio na missão. (Profissionais ou não, todos podem cooperar de alguma forma no campo missionário);
6. Enviar materiais didáticos para adultos e crianças (Missionários sempre precisam de materiais e geralmente eles não conseguem comprar onde estão);
7. Plano de saúde ou seguro viagem para família (é importante também, principalmente para aqueles que estão em lugares inóspitos)
8. Pastoreio (mesmo à distância é importante essa aproximação e socorro);
9. Verificar se o mesmo tem transporte para suas ações e viagens. (Ás vezes o missionário deixa de alcançar muitas pessoas porque falta um carro, moto ou barco. Uma campanha missionária na igreja, consegue levantar o valor em um mês, sendo que o missionário gastaria em média o ano para fazer o mesmo).
10. Conceder períodos de descanso. (O missionário necessita de tempo de descanso, ele fica a disposição da comunidade onde trabalha em média 16 horas por dia e isso demanda muita disposição. Se puder tirar ele do campo nesse período, seria melhor ainda. Isso fará bem para saúde mental, para sua família, para gerar proximidade com a igreja local e para o mantimento da missão).

Texto original de Maycon Barroso, compartilhado por Eu oro pela África do Norte“.

NA CRUZ, JESUS NÃO ERA UM COITADO

É comum que ao ouvir falar ou assistir algum vídeo sobre a crucificação de Jesus, as pessoas digam: “Coitado de Jesus”. Esse é um pensamento popular e muito enraizado, inclusive, na igreja evangélica. Parece que Jesus veio a terra para reinar e algo deu errado, por conta disso foi preso, maltratado e morto.

Quem lê as escrituras com calma, atenção e interesse sabe que Ele tinha um propósito ao deixar a sua glória: glorificar ao Pai através de sua morte redentora. Antes mesmo do “haja luz”, Deus já havia declarado o “haja cruz” e Cristo é o cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo (Apocalipse 13:8). A cruz não foi um acidente na história, ela foi o plano de Deus para a remissão de nossos pecados.

A salvação tornou-se possível porque Cristo tomou nosso lugar e, na cruz, recebeu sobre si toda a ira de Deus por causa do pecado. Ele aplacou a ira do Pai e nos reconciliou com Ele, dando-nos a honra de sermos chamados de filhos. Fomos justificados pela fé e agora temos a paz com Deus, através de Cristo Jesus (Romanos 5:1) e toda escrita de dívida que nos era contrária foi cravada na Cruz, onde ele despojou os poderes e autoridades, triunfando sobre eles (Colossenses 2:14-15). Jesus nos deu vida e morreu por nós quando estavamos mortos em nossos pecados e eramos inimigos de Deus (Romanos 5:10).

Portanto quando ouvir falar sobre a crucificação, lembre-se que ela não foi uma derrota, mas a maior vitória da história!

Cristo vive e reina pelo século dos séculos e, como prometeu, vai voltar para buscar a sua igreja.

Que Deus te abençoe!