Ministerial

Pastorado NÃO é voto de pobreza

Por Thiago Schadeck

Por conta de diversos escândalos envolvendo pastores que se utilizam do aparato da igreja para enriquecer, muita gente pensa que todo pastor deve ser um abnegado e rejeitar qualquer tipo de recurso financeiro, seja pago pela igreja ou de seu trabalho secular. Alguns chegam a dizer que se eles servem a Deus, que dependam da provisão Dele. Eu pergunto: e qual de nós não depende?
Se acordamos hoje, é porque Deus nos proveu mais um dia. Se temos um emprego que nos proporcionou termos um local para morar, seja próprio ou alugado, é porque o Senhor tem nos mantido empregados mesmo em meio à crise. Se temos a salvação é porque o Pai proveu a Cristo, o Cordeiro santo e imaculado. Digo mais, se há ímpios podendo desfrutar de tudo isso que citei acima é porque provam de uma provisão da graça de Deus, que não deixa serem consumidos por Sua ira.

Vamos agora a fatos mais objetivos sobre a relação do pastor com o dinheiro:

  • Pastor deve ter um salário.

Não importa se esse salário virá da igreja ou de um trabalho secular, o fato é que pastor deve ter um salário. Normalmente o pastor é casado e tem filhos, portanto ele precisa ter algum rendimento para sustentar a sua casa e os seus. Não é prudente deixar o pastor passando necessidade enquanto a igreja tem seus empregos e salários. Como o pastor fará visitas aos membros se não tiver um carro e dinheiro para colocar gasolina? Claro que reclamarão que o pastor é negligente e distante.
O que pode e deve ser discutido é se a igreja tem ou não condições de pagar um salário digno ao pastor. Infelizmente tem igrejas que pensam que meio salário mínimo e uma cesta básica suprem as necessidades do pastor e sua família. Deve-se levar em conta o custo de vida na região em que a igreja está localizada. Se não tiverem condições de sustenta-lo, que o liberem para trabalhar secularmente, porém que fiquem cientes que não poderão contar com ele durante um período do dia.

  • Como o pastor adquiriu seus bens?

Vejo muita gente criticando alguns pastores que tem uma boa condição de vida. Há quem pense que só porque ele é pastor deva morar com a esposa e filhos em um quarto e cozinha no fundo da igreja e ter, no máximo, uma Mobette para se locomover. A pergunta que deve ser feita é: como ele conquistou tudo isso?

Tem pastores que ganham um salário relativamente baixo da igreja mas que sabem administrar e poupar, e por conta disso conseguem adquirir alguns bens. Há os que são empresários e administram suas empresas sem que isso interfira em seu ministério. Outros são autores de livros e pela sua qualidade conseguiram um renome, valorizando suas obras e consequentemente ganhando algum dinheiro. Outros ainda vem de famílias que tem uma boa condição financeira. Existem aqueles que dão aulas, principalmente de teologia. E assim por diante.

Portanto não se preocupe com esses pastores, o dinheiro deles é ganho de forma honesta e Deus é glorificado nisso, assim como Ele é glorificado quando recebemos o nosso salário. Preocupe-se mesmo com pastores que se encostam na igeja e utilizam os recursos dela para se beneficiar, dos que profetizam mentirosamente e depois pedem a oferta para o profeta, dos que prometem bençãos e curas em troca de um “voto”, dos que exigem que sua igreja lhes entregue as primícias (um dia de salário para o sustento do pastor). Fuja desses porque o desejo deles em ver a igreja crescer não está relacionado à salvação dos perdidos, mas na possibilidade de ganhos futuros.

  • Como ele desfruta desses bens e valores

Se o pastor é egoísta e usa tudo isso que conquistou para jogar na cara dos membros o quão abençoado ele é, infelizmente não passa de mais um mercenário da fé, que só quer o status que o título lhe proporciona. Está engrossando as fileiras dos que deixaram de servir a Deus para cultuar a Mamom. O pastor, como qualquer outro cristão, tem o dever de administrar bem o que Deus lhe confiou. Lembre-se que somos mordomos daquilo que Deus nos permite desfrutar. 

Por outro lado há quem pense que as coisas do pastor são de uso irrestrito da igreja. Se tem que buscar sacos de cimento para rebocar a parede da casa do irmão, pensam logo no carro do pastor. Precisa ligar para os jovens para organizar a pizza pós culto, use o celular do pastor. Há extremos em que membros entram sem qualquer aviso na casa do pastor (principalmente se for aquele quarto e cozinha no fundo da igreja), sem nenhuma preocupação se pode encontrar alguma situação embaraçosa ou mesmo se ele quer aquela visita naquele momento. Já vi casos em que membros abriam a geladeira da casa do pastor, enquanto ele pregava, e comiam e bebiam à vontade.

Considerações finais:

Com certeza seu pastor não entrou no ministério por causa do dinheiro, mas isso não significa que o dinheiro não seja importante para a sua vida. Ninguém, nem você e nem seu pastor, podem viver sem dinheiro. Lembre que o dinheiro não é a raiz de todos os males, como alguns insistem em afirmar, mas o amor à ele, portanto o problema não é ter dinheiro e sim ter um apego exagero à ele.

Pense nisso!

Anúncios
Apologético · Devocional · Ministerial

Você ainda não compreendeu o Evangelho se…

image

Por Thiago Schadeck

Segundo o último censo do IBGE, em 2010, o Brasil tinha, à época, 50 milhões de evangélicos. Hoje, creio que há muito mais. Somos cerca de 25% de toda a população. Claro que com esse crescimento, foi se embora aquele esteriótipo que crente é alguém pobre, com pouco estudo, fanático e ignorante. Sim, ainda existem muitos desses, mas estão muito diluidos dentre os demais grupos. Tem pobres, ricos, analfabetos, estudados, bem educados, sem educação, enfim, todo tipo de gente.

Acontece que com o inchaço da igreja – à diante você perceberá que não houve crescimento – as pessoas aderem a um novo tipo de pensamento, mas quase nunca ao verdadeiro Evangelho. Sabem de cór e saltiado as letras das músicas, mas demoram para encontrar o livro de João na Bíblia. Não conhecem as histórias bíblicas e nem o Cristo apresentado pelas Escrituras, só o da igreja. São analfabetos bíblicos!

A nossa geração de crentes se assemelha muito ao mordomo da Rainha de Candace (Atos 8:26-40), que voltava de Jerusalem, onde havia ido adorar a Deus, lendo as escrituras, porém sem entender nada. É idêntico a milhares de crentes atuias que vão à igreja, adoram a Deus e lêem a Biblia sem entendê-la. São rasos e incapazes de transmitir àquilo que crêem a alguém. Não é raro alguém não saber falar de Cristo a um necessitado e levá-lo ao pastor e delegar-lhe a responsabilidade.

Crentes com mais de 10 anos de convertidos e que não conhecem, de fato, a Deus. O Senhor é alguém distante e pouco intimo. Mal sabem explicar porque estão na igreja, quase sempre porque precisam de algo que julgam poder alcançar apenas por uma intervenção divina. E não é a salvação!

Vejamos alguns pontos que demonstram desconhecimento sobre o Evangelho verdadeiro:

Se você pensa que determina aquilo que Deus deve fazer:
Com o inchaço da igreja evangélica ocorreu um fenômeno antibiblico e demoníaco, os homens passaram a querer mandar em Deus. Não é raro ouvir em uma igreja neopentecostal que você deve exigir, decretar e determinar aqulilo que Deus deve fazer.
O Senhor é o criador de tudo, inclusive do ser humano. Se você acha mesmo que pode dizer a Deus o que Ele deve fazer, sugiro que antes se prepare para responder as perguntas que ele fez a Jó (Jó 38:4-41) ou se preferir, responda apenas a pergunta feita pelo apóstolo Paulo:
“Pois, quem jamais conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.” (1 Coríntios 2:16)
Ninguém é capaz de aconselhar a Deus acerca do que é melhor. Ter a mente de Cristo é exatamente o contrário, é submeter-se totalmente à vontade do Pai (Filipenses 2, Mateus 26:39)

Se você pensa que o Diabo tem poder sobre a sua vida:
Tem crentes convertidos há anos e que ainda pensam que Satanás pode fazer o que quiser com suas vidas. Certamente não foram bem instruídos biblicamente. São neuróticos e vêem a ação do Diabo em tudo, mas sequer conseguem ver o agir de Deus no seu dia a dia. Alguém realmente salvo, que teve um encontro verdadeiro com Cristo, que tem o Espírito Santo habitando em si, tem a plena convicção de que maior é o que está em nós.
Para exemplificar bem isto, podemos usar a história de Jó. Deus não permitiu que o Diabo fosse além daquilo que Ele havia autorizado. O Senhor, apesar de permitir o sofrimento de Jó, não o abandonou à sua própria sorte em momento algum, Deus não mandou Jó se virar com o Diabo, mas supervisionou tudo em todo o tempo.
Além disso, Cristo venceu o inimigo na cruz:
“E a vós, quando estáveis mortos nos vossos delitos e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-nos todos os delitos; e havendo riscado o escrito de dívida que havia contra nós nas suas ordenanças, o qual nos era contrário, removeu-o do meio de nós, cravando-o na cruz; e, tendo despojado os principados e potestades, os exibiu publicamente e deles triunfou na mesma cruz.” (Colossenses 2:13-15)
Quando aqueles que rodeavam a cruz pensavam que o Salvador havia sido derrotado, Cristo, na verdade, estava alcançando a maior vitória da humanidade: a vitória sobre a morte e o pecado! Depois da cruz a possibilidade de salvação se tornou real, agora todos tem acesso à Deus. O véu está rasgado!

Se você pensa que a oração de uns é mais poderosa que de outros:
Basta ligar o rádio ou a tevê para encontrar pastores alegando que farão uma oração especial ou forte para você, porque eles têmse consagrado para buscar a sua vitória e assim Deus te atenderá. Isso é MENTIRA!
Deus não se comove com essas coisas e nem permite terceirizarmos a nossa fé. Temos de entender a diferença entre intercessão e transferência de responsabilidade. Na intercessão alguém me ajuda em oração, o que é correto e bíblico. Devemos participar dos sofrimentos de nossos irmãos, mas isso não nos dá o direito de transferir a responsabilidade da luta em oração a outra pessoa. Seja quem for!
E aos que defendem à pratica porque crêem que Deus ouve mais aos seus queridinhos, proponho que leia a parábola do Fariseu e o Publicano, contada por Jesus em Lucas 18:10-14. O justificado da história não foi o religioso arrogante que pensava ter uma linha direta com Deus, mas o pecador confesso e humilhado.
Davi escreveu no Salmo 34:18:
“Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.”
Deus não se ilude com nossos biquinhos de choro e sentimentalismo barato. Ele vê o nosso coração e sabe o quão quebrantados estamos.

Se você pensa que sua oferta compra o favor de Deus:
Diariamente as estações gospel transmitem centenas de testemunhos de pessoas que alcançaram alguma bênção após se associar a um projeto de ofertas para manter a programação no ar. Vendem isso como se a forma de ter o favor de Deus fosse comprando. É o espírito de Simão, o mágico, perambulando em meio às igrejas. Se você não sabe quem foi Simão, não Pedro, mas o mágico, leia Atos 8:9-25 e compreenderá a história.
Resumidamente, os apóstolos passaram pregando por várias cidades, em uma delas Simão ouviu a mensagem do Evangelho e passou a segui-los. Chegou a se batizar e acompanhar os apóstolos pelo caminho – tornou-se crente! Certo momento, ao ver os milagres sendo operados pelos apóstolos, Simão teve uma idéia brilhante: oferecer dinheiro para obter o mesmo poder. Infelizmente ele não contava que faria a proposta a um homem de Deus e não a um corrupto, como os que vemos hoje. A resposta de Pedro, o Simão cristão da história, foi clara e direta: “Mas disse-lhe Pedro: Vá tua prata contigo à perdição, pois cuidaste adquirir com dinheiro o dom de Deus.” (Atos 8:20)
Lamentavelmente hoje há muitos oferecendo o poder de Deus nas banquinhas de camelô dos púlpitos. Esqueceram apenas que Deus não aceita suborno (2 Crônicas 19:7).
Como um ser humano imagina que poderia mover o coração do dono do ouro e da prata, usando dinheiro? TUDO É DELE!

Se você pensa que há pecados mais graves que outros:
Os crentes se especializaram em categorizar os pecados. Uns são considerados leves, outros extremamente pesados, alguns imperdoáveis. A Bíblia é explícita em dizer que o único pecado sem perdão é a blasfêmia contra o Espírito Santo. Todos os outros são pecados iguais e capazes de nos levar ao inferno, caso não haja arrependimento verdadeiro.
Por que ainda insistimos em condenar homossexuais, mas fingimos não ver a mentira que contamos? Por que o adultério é tão grave aos nossos olhos, mas a inveja é tratada como uma mera admiração?  Por que temos os católicos como idólatras, mas ai de quem falar do nosso líder?
No frigir dos ovos, pecado grave é aquele que o outro pratica, os meus Deus releva porque sabe que sou pecador arrependido. É sempre mais fácil condenar o outro pelo pecado diferente do meu. Difícil mesmo é abandonar os meus e imitar a Cristo.

Existem vários outros pontos que demonstram o desconhecimento ao Evangelho verdadeiro e oro para que Deus nos ilumine e mostre se o que temos seguido é realmente o Caminho ensinado por Ele. Cristo é o modelo perfeito, o imitemos e certamente seremos pessoas muito melhores.
Que a revolta com o pecado comece por nós mesmos, depois pela nossa igreja e por fim, a sociedade que não conhece a Deus. Se formos como Jesus, enxergaremos uma alma necessitada de salvação por trás do pecado e não o contrário.  Haverá mais compaixão com os que perecem.

Apologético · Devocional · Espírito Santo · Ministerial

Festas Bíblicas Judaicas: Devemos Segui-las?

 

Shofar

“As festas bíblicas são ordens sagradas do Senhor. Elas não são apenas judaicas; são, antes de mais nada, do Senhor, declaradas como estatuto eterno (Lv. 23:1-44). Essas festas não são um convite para que a Igreja volte à primeira aliança, mas para sustentar a mensagem que elas transmitem. Elas apontam para o fim, para o Cordeiro e falam da parusia, ou seja, a segunda vinda do Messias.”

“Preste atenção ao que está sendo ministrado, pois Roma não deseja que nossos olhos sejam abertos. Roma quer nos prender ao paganismo. Esse paganismo se traduz na tentativa de deixar as festas bíblicas no esquecimento e de pegar as festas pagãs e tentar cristianizá-las. Porém, Deus abriu os nossos olhos. Não estamos mais debaixo da escuridão, pois o Senhor nos trouxe para a luz.”

(Ap. Renê Terra Nova).

A frase do autodenominado “apóstolo” René Terra Nova demonstra bem a necessidade de estudarmos este assunto: a Igreja deve guardar festas e costumes judaicos? A Bíblia deixa alguma evidência de que tais práticas são para os cristãos?

Independentemente de dados históricos extra-bíblicos, devemos nos deter ao estudo das Escrituras para esclarecermos tais questionamentos. É da Bíblia a Palavra final sobre o assunto!

Para começarmos nosso estudo, é interessante nos debruçarmos sobre a carta de Paulo aos gálatas, pois os irmãos da Galácia estavam passando por uma situação semelhante à da igreja de hoje.

Quando Paulo escreveu aos gálatas, os judeus estavam presentes em todo o Império Romano, principalmente nas cidades mais importantes. Muitos deles se converteram ao cristianismo e, dentre os convertidos, havia aqueles que queriam impor a lei mosaica sobre os cristãos gentios. São os “judaizantes”. Assim como os fariseus e saduceus perseguiram Jesus durante o período mencionado pelos evangelhos, os judaizantes pareciam estar sempre acompanhando os passos de Paulo a fim de influenciar as igrejas por ele estabelecidas. Essa questão entre judaísmo e cristianismo percorre o Novo Testamento.

Os judaizantes estavam também na Galácia, onde se tornaram uma forte ameaça contra a sã doutrina das igrejas.

Aqueles judeus davam a entender que o evangelho estava incompleto. Para conseguirem uma influência maior sobre as igrejas, eles procuravam minar a autoridade de Paulo. Para isso, atacavam a legitimidade do seu apostolado, como tinham feito em Corinto.

O EVANGELHO JUDAIZANTE

Os judaizantes chegavam às igrejas com o Velho Testamento “nas mãos”. Isso se apresentava como um grande impacto para os cristãos. O próprio Paulo ensinava a valorização das Sagradas Escrituras. Como responder a um judeu que mostrava no Velho Testamento a obrigatoriedade da circuncisão e da obediência à lei? Além disso, apresentavam Abraão como o modelo para os servos de Deus.

Os judaizantes ensinavam que a salvação dependia também da lei, principalmente da circuncisão. Segundo eles, para ser cristão, a pessoa precisava antes ser judeu (não por descendência, mas por religião). Foi para combater as heresias judaizantes que Paulo escreveu aos gálatas e mostrou àqueles irmãos que voltar as práticas e aos cerimoniais da Lei era cair da graça. (Gálatas 5:1-10):

“1 ¶ ESTAI, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão. 2 Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. 3 E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei. 4 Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído. 5 Porque nós pelo Espírito da fé aguardamos a esperança da justiça. 6 Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor. 7 Corríeis bem; quem vos impediu, para que não obedeçais à verdade? 8 Esta persuasão não vem daquele que vos chamou. 9 Um pouco de fermento leveda toda a massa. 10 Confio de vós, no Senhor, que nenhuma outra coisa sentireis; mas aquele que vos inquieta, seja ele quem for, sofrerá a condenação.” (Gl 5:1-10)

Algo parecido tem acontecido na Igreja brasileira nos dias atuais. Os judaizantes modernos ensinam que devemos guardar as festas judaicas, ler a Torah nos cultos, etc.

É muito comum vermos cristãos usando kipás (bonezinho usado pelos judeus), buscando ligações genealógicas com o povo israelita para que possam obter nacionalidade judia, entre outras coisas. Até mesmo nos cultos de algumas igrejas, músicas e danças judaicas foram inseridas.

Em nome do amor a Israel a bandeira da nação é colocada na igreja (será que um árabe desejoso por conhecer Cristo entraria nesta igreja?), o shofar é tocado e promovem-se as festas com a promessa de uma nova unção sobre a vida de quem participa de tais celebrações.

Há igrejas onde as pessoas não podem adentrar ao templo de sandálias ou sapatos e são orientadas a tirar os calçados, pois, segundo ensinam, irão pisar terra santa.

Há notícias de denominações no Brasil onde os assentos foram retirados dos templos e os crentes ficam de joelhos em posição semelhante à usada pelos judeus nas sinagogas.

Uma famosa “apóstola” apregoa inclusive a necessidade da Igreja Evangélica brasileira guardar o sábado. Em uma entrevista a antiga revista Vinde, ela declarou: “Meu contato com Israel me mostrou várias coisas, como os dias proféticos, as alianças: seis dias trabalharás e ao sétimo descansarás. Êxodo 31 declara que o sábado é o sinal de uma aliança perpétua e da volta de Cristo”.

Afinal, devemos ter a preocupação de celebrar as festas judaicas, usar kipá, colocar pano de saco, banhar-se de cinzas? O cristão tem essas obrigações? O que diz a Palavra sobre o assunto?

Sobre a idéia da guarda do sábado e a sugestão da pastora de que isso faz parte de uma aliança perpétua, verifiquemos o seguinte:

Usar a expressão “aliança perpétua” para referir-se à aliança feita entre Deus e Israel é desconhecer a transitoriedade dessa aliança apontada pela Bíblia. Se não, vejamos. A Bíblia menciona a existência de duas alianças. A primeira foi firmada entre Deus e o povo de Israel (Êxodo 19.1-8), logo que saiu da terra do Egito e se acampou junto ao Monte Sinai. A aliança foi ratificada com o sangue de animais como se lê em Êxodo 24.1-8. No livro de Hebreus, o escritor se reporta a esta aliança, dizendo: “18 Por isso também o primeiro não foi consagrado sem sangue; 19 Porque, havendo Moisés anunciado a todo o povo todos os mandamentos segundo a lei, tomou o sangue dos bezerros e dos bodes, com água, lã purpúrea e hissope, e aspergiu tanto o mesmo livro como todo o povo, 20 Dizendo: Este é o sangue do testamento que Deus vos tem mandado.” (Hb 9:18-20)

Essa aliança não integrava o povo gentio (Salmo 147.19 e 20): “19 Mostra a sua palavra a Jacó, os seus estatutos e os seus juízos a Israel. 20 Não fez assim a nenhuma outra nação; e quanto aos seus juízos, não os conhecem. Louvai ao SENHOR.” (Sl 147:19-20)

Embora o povo de Israel tivesse prontidão em responder que observaria essa aliança, na verdade, não a cumpriu, de modo que Deus prometeu nova aliança. Essa promessa foi registrada por Jeremias: “31 Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá. 32 Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o SENHOR. 33 Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. 34 E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao SENHOR; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados.” (Jr 31:31-34).

Novamente, o escritor do livro de Hebreus se reporta a essa nova aliança, afirmando que ela já tinha sido estabelecida por Jesus Cristo: “6 ¶ Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas. 7 Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda.” (Hb 8:6-7). Ainda Paulo, falando sobre a antiga aliança, declara: “O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.” (2Co 3:6). Logo, não se pode falar em “aliança perpétua”, referindo-se à primeira aliança entre Deus e Israel.

O que talvez a apóstola quisesse, mas não o fez, era dizer que o sábado é um mandamento perpétuo, como se lê em Êxodo 31. 16 e 17. Todavia, ainda assim, ela estaria incorreta. Não procede dizer que a guarda do sábado deva ser observada pelos cristãos hoje. Isto porque a palavra perpétuo não se aplica só ao sábado, mas também a vários outros preceitos que os guardadores do sábado nunca se dispuseram a cumprir, como, por exemplo, a circuncisão pois Gênesis 17.13-14 diz o seguinte: “Com efeito, será circuncidado o nascido em tua casa e o comprado por teu dinheiro; a minha aliança estará na vossa carne e será aliança perpétua. O incircunciso, que não for circuncidado na carne do prepúcio, essa vida será eliminada do seu povo; quebrou a minha aliança”. E agora, teremos que nos circuncidar também? Ou não seria mais coerente guardar o significado espiritual de tais ordenanças e não o seu aspecto cerimonial?

Um outro argumento da “apóstola” é a de que o domingo tem origem pagã, ela diz: “Roma teve um imperador que adorava o sol. Daí Sunday (dia do sol) [do inglês, domingo]. Por essa questão pagã, a tradição chegou até nossos dias…”.

Entretanto, esse é um argumento pueril, freqüentemente citado por eles para imprimir a idéia de que a guarda de outro dia que não o sábado é de origem estritamente pagã. Tão pagã quanto a palavra Sunday é Saturday (dia de Saturno), sábado, em inglês. O dia era dedicado ao deus Saturno e prestava-se culto com orgias e muita bebida. Os dias da semana levavam nomes pagãos e não só o domingo.

Constantino, por sua vez, foi o primeiro imperador romano a adotar o cristianismo. Quando o fez promulgou vários decretos em favor dos cristãos, destacando-se o de 7 de março de 321. Se vale o argumento de que a guarda do domingo é de origem pagã por ter sido Constantino quem firmou o primeiro dia da semana como dia de guarda, então teria que reconhecer que a doutrina da Trindade também tem origem pagã, pois foi o mesmo Constantino quem presidiu o Concílio de Nicéia, em 325, quando foi reconhecida biblicamente a deidade absoluta de Jesus. Jesus sempre foi Deus verdadeiro ou passou a sê-lo depois do Concílio de Nicéia? E o domingo passou a ser dito como dia de adoração em decorrência do decreto imperial ou os cristãos já o tinham como dia de adoração?

Quanto ao uso do Kipá, atente para o significado desta indumentária judaica segundo judeus messiânicos:

“Kipá – Simboliza que há alguém acima de você – O significado da palavra kipá é “arco”, que fica compreensível quando pensamos em seu formato. A kipá é um lembrete constante da presença de Deus. Relembra o homem de que existe alguém acima dele, de que há Alguém Maior que o está acompanhando em todos os lugares e está sempre o protegendo, como o arco, e o guiando. Onde quer que vá, o judeu estará sempre acompanhado de Deus”.

“É costume judaico desde os primórdios um homem manter sua cabeça coberta o tempo todo, demonstrando com isso humildade perante Deus. É expressamente proibido entrar numa sinagoga, mencionar o nome Divino, recitar uma prece ou bênção, estudar Torá ou realizar qualquer ato religioso de cabeça descoberta”.

Fica o questionamento: é necessário para um cristão usar um kipá para lhe lembrar a presença de Deus? É preciso usar esse gorrinho para não esquecer de que Deus é Soberano e está acima de todos?

Não basta para o verdadeiro cristão o fato de que o próprio Deus habita em nós por meio do Seu Espírito? Fica o questionamento de Paulo aos coríntios: (1 Coríntios 3:16) “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?”.

 

POR QUÊ NÓS CRISTÃOS NÃO GUARDAMOS A LEI?


1o – A lei de Moisés foi dada aos filhos de Israel (Êx.19,3,6). Nós, cristãos gentios, não somos filhos da nação Israel.

2o – Jesus cumpriu a lei cerimonial. Tal cumprimento significa não apenas sua obediência, mas a satisfação das exigências da lei cerimonial através da obra de Cristo.

Precisamos entender que os mandamentos da lei mosaica se dividem em vários tipos. Vamos, basicamente, dividi-los em mandamentos morais, civis e cerimoniais:

Os mandamentos morais dizem respeito ao tratamento para com o próximo: Não matarás; Não adulterarás; Não furtarás, etc. Tais ordenanças estão vinculadas à palavra amor.

Os mandamentos civis são aqueles que regulamentavam a vida social do israelita. São regras diversas que se aplicam às relações da sociedade. Um bom exemplo é o regulamento da escravidão.

Os mandamentos cerimoniais são aqueles que se referem estritamente às questões religiosas. São as ordenanças que descrevem os rituais judaicos.

A classificação de um mandamento dentro desses tipos nem sempre é fácil. Algumas vezes, uma lei pode pertencer a dois desses grupos ao mesmo tempo, já que a questão religiosa está por trás de tudo. A sociedade israelita era essencialmente religiosa. O Estado e o sacerdócio nem sempre se encontravam separados. Contudo, tal proposta de classificação já serve para o nosso objetivo.

A lei moral se resume no amor a Deus e ao próximo, como é dito em Gálatas 5.14 “Porque toda a lei se cumpre em um só preceito, a saber: Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.Os princípios morais permanecem válidos no Novo Testamento. Hoje, não matamos o próximo, mas não por causa da lei de Moisés e sim por causa da lei de Cristo (Gálatas 6.2) “Levai as cargas uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo” à qual os gálatas deviam obedecer. A lei de Cristo é a lei do amor a Deus e ao próximo.

As leis civis do povo de Israel não se aplicam a nós. Além dos motivos já expostos, nossas circunstâncias são bastante diferentes e temos nossas próprias leis civis para observar. O cristão deve obedecer as leis estabelecidas pelas autoridades humanas enquanto essas leis não estiverem ordenando transgressão da vontade de Deus (Rm.13.1) “Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas”.

As leis cerimoniais judaicas foram abolidas por Cristo na cruz (o significado de cada uma delas se cumpriu em Cristo). Por esse motivo, mesmo os judeus que se convertem hoje ao cristianismo estão dispensados da lei cerimonial judaica. Por isso, não fazemos sacrifícios de animais, não guardamos o sábado, não celebramos as festas judaicas, etc.

Se alguém quiser observar algum costume judaico, isso não constituirá problema, desde que a pessoa não veja nisso uma condição para a salvação e nem prometa através destas coisas tornar alguém mais espiritual. (Rm 14.-8)

“1 ¶ ORA, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas. 2 Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. 3 O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu. 4 Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio SENHOR ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar. 5 Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente. 6 Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o SENHOR não come, e dá graças a Deus. 7 Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. 8 Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor.” (Rm 14:1-8 ACF)

O problema é justamente a conotação dada a essas festas e aos costumes judaicos por pessoas de movimentos judaizantes. Por exemplo, dizem que se não celebrarmos as festas estaremos sendo devedores ao Senhor e que celebrar seria repreender o “espírito de Roma” da Igreja, que o Evangelho estaria de volta a Jerusalém, etc.

Celebrar uma festa judaica na igreja como representação simbólica do período vetero-testamentário nada tem de mais, no entanto, colocar isso como obediência de mandamento é certamente abandonar a graça de Deus e voltar a Lei.

Já há gente se vestindo de pano de saco e banhando-se de cinzas para mostrar arrependimento. Em certos ambientes, para se aproximar do púlpito é preciso que os crentes tirem os calçados, pois estariam pisando em “lugar santo”. Com isso, a obra de Cristo estará sendo colocada em segundo plano, como algo incompleto e insuficiente, como fica claro em Gálatas 5.4-6 “De Cristo vos desligastes, vós que procurais justificar-vos na lei; da graça decaístes. Porque nós, pelo Espírito, aguardamos a esperança da justiça que provém da fé. Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão têm valor algum, mas a fé que atua pelo amor”.

Além de tudo isso, é bom que citemos as palavras de Paulo: “..não estais debaixo da lei mas debaixo da graça.” (Rm.6.14).

O Pastor Isaltino Gomes Coelho Filho escreveu o seguinte sobre a rejudaização da Igreja:


A rejudaização do evangelho tem um lado comercial e outro teológico. O comercial se vê nas propagandas para visita à “Terra Santa”. O judaísmo girava ao redor de três grandes verdades: um povo, uma terra e um Deus. No cristianismo há um povo, mas não mais como etnia. A Igreja é o novo povo de Deus, herdeira e sucessora de Israel, composta de “homens de toda tribo, e língua e povo e nação” (Ap 5.9). Há também um Deus, que se revelou em Jesus Cristo, sua palavra final (Hb 1.1-2). Mas não há uma terra santa. No cristianismo não há lugares e objetos santos. O prédio onde a Igreja se reúne e que alguns chamam, na linguagem do Antigo Testamento, de “santuário”, não é santuário nem morada de Deus. É salão de cultos. O Eterno não mora em prédios, mas em pessoas. Elas são o santuário (At 17.24, 1Co 3.16, 6.19 e Hb 3.6). Deus não está mais perto de alguém em Jerusalém que na floresta amazônica, nos condomínios, favelas e cortiços das grandes cidades. No cristianismo, santo não é o lugar. São as pessoas. Não é o chão. É o crente. E Deus pode ser encontrado em qualquer lugar. Não temos terra santa, e sim gente santa.

A propaganda gera uma teologia defeituosa. Pessoas vão à Israel para se batizar nas águas onde Jesus se batizou. Ora, o batismo é único, singular e sem repetição. Ele segue a conversão e mostra o engajamento da pessoa no propósito eterno de Deus. Uma pessoa que foi batizada, após conversão e profissão de fé, numa igreja bíblica, não se batiza no rio Jordão. Apenas toma um banho. E, sem o sentido filosófico do ser e do vir a ser de Heráclito, aquele não é o Jordão onde Jesus foi batizado porque as águas são outras. As moléculas de hidrogênio e oxigênio que compunham aquele Jordão podem estar hoje em alguma nuvem. Ou na bacia amazônica. Ou no mar. Até no Tietê. É mero sentimentalismo e não identificação com Jesus. É lamentável que pastores conservadores em teologia “batizem” crentes já batizados no Jordão. Isto é vulgarizar o batismo, tirando seu valor teológico.

Não sou contra turismo. Faça-o quem puder e regozije-se com a oportunidade. Sou contra o entortamento da teologia como apelo turístico. Temos visto pastores com sal do mar Morto, azeite do monte das Oliveiras (há alguma usina de beneficiamento de azeitonas lá?) e até crucifixos feitos da cruz de Jesus (pastores evangélicos, sim!). Há um fetichismo com terra santa, areia santa, água santa, sal santo, folha de oliveira santa, etc. No cristianismo as pessoas são santas, mas as coisas não. A rejudaização caminha paralelamente com a superstição e feitiçaria. É parente da paganização. Não estou tecendo uma colcha de retalhos. Tudo isto é produto de uma hermenêutica defeituosa, que não compreende as distinções entre os dois Testamentos, os critérios diferentes para interpretá-los, a pompa e liturgia do judaísmo em contraposição à desburocratização do cristianismo e que a palavra final de Deus foi dada em Jesus Cristo. É o NT que interpreta o AT e não o AT que interpreta o NT.

 

Um outro fator abordado pelo pastor Isaltino é a tal “restauração do sacerdócio”. O pastor visto como um intermediário da relação do homem com Deus. Sabemos que no NT o sacerdócio universal do crente fica claro, nem um filho de Deus precisa de sacerdotes humanos para ter acesso ao Pai. Temos a Cristo como o nosso Mediador:

Entretanto, a incidência do uso do termo “leigo” para os não consagrados aos ministérios é reveladora. Todos nós somos ministros, pois todos somos servos. E todos somos leigos, porque todos somos povo (é este o sentido da palavra “leigo”, alguém do povo). Não temos clero nem laicato. Somos todos ministros e somos todos povo. Mas cada vez mais as bases ministeriais são buscadas no Antigo Testamento e não no Novo. Usamos os termos do Novo com a conotação do Antigo. O pastor do NT passa a ter a conotação do sacerdote do AT. É o “ungido”, detentor de uma relação especial com Deus que os outros não têm. Só ele pode realizar certos atos litúrgicos, como o sacerdote do AT. Por exemplo, batismo e ceia só podem ser celebrados por ele. Assumimos isto como postura, mas não é uma exigência bíblica. Na batalha espiritual isto é mais forte. Os pastores tornam a igreja dependente deles. Só eles têm a oração poderosa, a corrente de libertação só pode ser feita por eles e na igreja, só eles quebram as maldições, etc.

O sentido teológico do sacerdote hebreu parece permear fortemente o sentido teológico do pastor neotestamentário na visão destas pessoas. Este conceito convém ao pastor que prefere ser chamado de “líder”. Ele se torna um homem acima dos outros, incontestável, líder que deve ser acatado. Tem uma autoridade espiritual que os outros não tem. O Antigo Testamento elitiza a liderança. O Novo Testamento democratiza. Para os líderes destes movimentos, o Novo Testamento, a mensagem da graça e a eclesiologia despida de objetos, palavras e gestual sagrados não são interessantes. Assim, eles se refugiam no AT. Por isso há igrejas evangélicas com castiçais de sete braços e estrelas de Davi no lugar da cruz, bandeira de Israel, guardando festas judaicas, e até incensários em seus salões de cultos. Há evangélicos que parecem frustrados por não serem judeus. A liturgia pomposa do judaísmo é mais atraente e permite mais manobra ao líder que se põe acima dos outros. Concluindo, a atração pelo poder é maior do que o desejo de servir.

 

A RESPOSTA DE PAULO AOS JUDAIZANTES DA GALÁCIA:


A perniciosidade da influência judaica na Galácia estava no fato de atentar contra a essência do evangelho. Os judeus queriam acrescentar a circuncisão como condição para a salvação. Se assim fosse, o cristianismo seria apenas mais uma seita do judaísmo. Então, Paulo vem reforçar o ensino de que a salvação ocorre pela fé na suficiência da obra de Cristo. Para se conhecer a suficiência é preciso que se entenda o significado. Em sua exposição, Paulo toma Abraão como exemplo, assim como fez na epístola aos Romanos, afirmando que o patriarca foi justificado pela fé e não por obediência à lei. Tal exemplo era de grande peso para o judeu que lesse a epístola. Na seqüência, o apóstolo expõe diversos aspectos da obra de Cristo e do Espírito Santo na vida do salvo sem as imposições da lei.

 

COMPARAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS E EFEITOS DA LEI E DA GRAÇA


A lei mosaica se concentrava em questões visíveis, embora não fosse omissa com relação ao espiritual. Os pecados ali proibidos eram, principalmente, físicos. Assim também, a adoração era bastante prática. Seus preceitos determinavam o local, a postura, a roupa, o tempo apropriado, etc. No Novo Testamento, Jesus vem transferir a ênfase para o espiritual, embora não seja omisso em relação ao físico. Ao falar com a mulher samaritana, Jesus observa que ela estava muito preocupada com os aspectos exteriores da adoração a Deus. Isso era característica da ênfase do Velho Testamento. Jesus lhe disse:
“A hora vem e agora é em que os verdadeiros adoradores adorarão ao Pai em espírito e em verdade” (João 4.23). Vemos nisso a ênfase do Novo Testamento: que é espiritual.

 

Contrastes entre a Lei e a Graça


LEI / MOISÉS

Mostra o pecado

Enfatiza a carne

Traz prisão e morte

Infância

Traz maldição

GRAÇA / JESUS / CRUZ

Perdoa o pecado

Enfatiza o espírito

Traz libertação e vida

Maturidade

Leva a maldição

Aponta pra Cristo

Conduz ao Pai

 

PRESERVAÇÃO DA LIBERDADE


Paulo admoestou os gálatas para que se lembrassem do significado da obra de Cristo, a qual teve o objetivo de libertá-los. Agora que eram livres, não deveriam voltar ao domínio da lei.

Voltar à lei é negar a graça e perder os seus efeitos, ele mostra isso enfaticamente no Capítulo 5. É renunciar aos direitos de filho e voltar a viver como servo (Sara e Hagar). É renunciar à liberdade cristã, a qual foi comprada pelo precioso sangue do nosso Senhor. A história de Israel foi uma seqüência de cativeiros e libertações. Não podemos permitir que a nossa vida seja assim.

Os judaizantes estavam querendo impor a marca da circuncisão como se esta fosse um valor cristão. Entretanto, Paulo conduz os gálatas a um exame mais profundo da questão. O sinal exterior tem valor quando corresponde à condição interior. Como disse aos Romanos, “a circuncisão é proveitosa se tu guardares a lei” (Rm 2.25). Então, o que seria evidência fiel do interior humano? As obras da carne e o fruto do espírito. São marcas do caráter e se revelam nas ações. Estas são as marcas mais importantes na vida de um ser humano. Entretanto, se os judaizantes faziam mesmo questão de marcas físicas, Paulo possuía as “marcas de Jesus”, sinais de todo o seu sofrimento pela causa do Evangelho “Quanto ao mais, ninguém me moleste; porque eu trago no corpo as marcas de Jesus” (Gálatas 6.17).

O mesmo Paulo, escrevendo aos irmãos em Colossenses 2:16-17, diz: “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir; porém o corpo é de Cristo”.

Cristo é a Luz do mundo, quem está em Cristo não anda em trevas. Por que então voltarmos às sombras? É isso que Paulo deixou claro. Portanto, fica evidente o quanto é descabida a idéia de introduzir costumes dos judeus nas atividades cristãs como cumprimento de mandamento, promessas de nova unção e coisas desse tipo.

Deus estabeleceu uma Nova Aliança em Cristo, pois na primeira os homens se apegaram muito mais aos rituais e aos símbolos do que ao significado dos mesmos. Passaram a viver uma religiosidade vazia e já no período do Antigo Testamento, o Senhor mostrava a sua tristeza com relação a isso: Isaías 1:13-14 “13 Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembleias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene. 14 As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer.” (Is 1:13-14 ACF)

Usam mal Mateus 5:17, em que Jesus diz: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir”.

A palavra cumprir utilizada aqui vem do grego plérõsai, que significa “encher”, “completar”. Jesus não veio revogar ou destruir nenhuma palavra que Deus ensinara aos fiéis do passado no AT. Veio cumprir plenamente o propósito de Deus revelado no AT dando à Lei e aos Profetas aquilo que faltava: o Espírito Santo para interpretá-lo e o poder para pô-lo em prática, pela sua obra salvadora.

Cristo representa o fim do legalismo de se tentar cumprir a Lei, como está escrito em Romanos 10:3-4 “Porquanto, desconhecendo a justiça de Deus e procurando estabelecer a sua própria, não se sujeitaram à que vem de Deus. Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê”.

Cristo tirou o véu que encobria a Antiga Aliança. Ele revelou o “espírito” da Lei tornando-se carne. Cumpriu fielmente todas as ordenanças impostas pela Lei, dando a verdadeira interpretação a elas.

Ainda que Lei ordenasse o apedrejamento de adúlteras, Cristo perdoou uma mulher apanhada em adultério. Ainda que a Lei designasse o afastamento dos considerados “puros’ dos leprosos, Cristo se aproximada deles, os tocava e os curava”.

Cristo trouxe luz sobre o que eram sombras. Por que, então, voltar à escuridão do legalismo judaico?

Paulo resume esse comportamento da seguinte forma: “Mas os sentidos deles se embotaram. Pois até ao dia de hoje, quando fazem a leitura da antiga aliança, o mesmo véu permanece, não lhes sendo revelado que, em Cristo, é removido”. (2 Coríntios 3:14 ).

Extraído de: http://solascriptura-tt.org
Com auxílio de textos do Pastor Isaltino Gomes Coelho Filho, Anísio Renato de Andrade, Natanael Rinaldi e site dos judeus messiânicos.

Autor: Clériston Andrade – Juazeiro-Ba

Fonte original:
http://www.cacp.org.br 

 

Ministerial

Minha decepção com a Teologia da Missão Integral

images

Por Thiago Schadeck

Talvez você nunca tenha ouvido falar sobre a TMI, ou Teologia da Missão Integral, braço evangélico da teologia da Libertação – ainda que alguns discordem – que nos últimos anos foi um refúgio para aqueles que estavam desiludidos com igrejas, principalmente os que foram explorados e encontraram na TMI o extremo inverso ao cenário que participavam até bem pouco tempo. O problema está exatamente aí: extremos. Se de um lado há uma igreja opressora e que quer a qualquer custo implantar seu reino nessa terra, do outro lado tem a TMI querendo sinalizar um reino espiritual que, em seus discursos, funciona perfeitamente, mas que na prática não é tão harmônico assim.
Quando conheci alguns dos expoentes da TMI fiquei bastante feliz, pois se de um lado o neopentecostalismo falava em dar tudo o que tem para a igreja, do outro tinha a TMI falando de justiça e igualdade, em dividir o pão com os necessitados. Apesar de por vezes perceber que havia um certo esquerdismo em algumas pregações, achava irrelevante, visto que no geral ela era boa. Conforme o tempo foi passando e fui conversando com pessoas que tiveram contato com alguns defensores da TMI e fiquei sabendo de coisas que vão totalmente contra aquilo que eles dizem defender. Como alguém que critica os mercadores do templo cobra R$ 60 MIL de uma prefeitura do interior para dar uma palestra sobre protestantismo? Fora isso, pastores que se aproveitam da fraqueza das irmãs para levá-las para a cama, falsa modéstia, ostentação com roupas de piedade e etc.
Agora a TMI se revelou de vez lançando o tal manifesto contra o “golpe” no governo. Tiveram coragem de defender o governo mais incompetente e corrupto da história e ainda por cima criticar o juiz Sérgio Moro, que comanda a operação Lava-Jato. Criticam a forma como as investigações são conduzidas, mas em momento algum declaram a inocência dos acusados, pois há provas mais que suficientes para condená-los. Segundo eles, as investigações têm sido tendenciosas e com o intuito de derrubar a Dilma. Esquecem apenas que eles estão investigando as fraudes na Petrobrás, falida pelo PT. Defender essa corja é ir contra a justiça e o bem comum, já que toda a nação sofre. E como sofre!!!

Ouvi que um dos que assinaram o manifesto deu sinais de arrependimento. Tomara que isso seja mesmo uma realidade e que os demais pastores que assinaram percebem o seu erro e como prestaram um desserviço ao reino, defendendo aqueles que roubam os que a TMI supostamente defende.

Minha oração é que sejam despertados e deixem de transformar igrejas em ONG’s e mensagem do Evangelho em um discurso Marxista travestido de boas novas. Como bem disse um deles: “Corpo sem alma é defunto e alma sem corpo é fantasma”, que essa frase se torne uma verdade em suas vidas e ao invés de alimentar o corpo, dividindo o pão, venha com isso a mensagem salvadora do Cristo de Deus.

Que Deus tenha misericórdia e não haja grandes danos à igreja por conta desses posicionamentos. Que a Igreja se mantenha firme contra a corrupção, seja ela de esquerda, direita, cento ou eclesiástica.

Apologético · Devocional · Ministerial

Mitos Evangélicos

CAPA POST

por Renato Santiago (@renatosantyago)

Uma frase muito famosa se enquadra nesse pequeno artigo que escrevo: “Uma mentira dita muitas vezes acaba se tornando uma verdade”. Isso é claro também se aplica ao contexto do Evangelho, visto que desde o Éden o inimigo tenta distorcer a palavra de Deus e implantar sua própria verdade (Gn 3: 1-6).

Sabemos que a Palavra de Deus é autoridade sobre invenções e doutrinas criadas por homens (2 tm 3:16,17), devemos portanto submeter nosso  conhecimento adquirido ao crivo das Escrituras (a menos que seu entendimento esteja tão endurecido pela religiosidade que não admite a hipótese se mudar de ideia), aí é problema seu com Deus.

Mas para aqueles que desejam servir a Deus em verdade (Jo 17:17), e aprender mais das Escrituras (Mt 22:29) listo que aqui alguns mitos do meio evangélico atual que são taxados como verdade absoluta, vou discorrer resumidamente sobre cada tópico e sugerir algumas referências bíblicas para aguçar nossa curiosidade em pesquisar sobre os assuntos (At 17:11). Para estudos mais amplos existe muito material na internet (de preferência sites comprometidos com a teologia reformada). Cristão, pegue sua Bíblia e vamos lá:

Mitos que não tem embasamento concreto na Palavra de Deus e são tidos como bíblicos:

Devorador é um demônio que ataca quem não é dizimista

Nada a ver, o contexto do livro de Malaquias é outro, o capítulo 3 foi escrito para os sacerdotes de Israel, casa do tesouro era um galpão onde se armazenavam os dízimos (alimento) e o devorador era um gafanhoto que destruía a lavoura do povo por causa da desobediência (Ml 2: 1-4 / 3: 6-11);

Devo ungir minha casa e tudo que precisa de proteção

Baseado em Ex 12:7 esse é um erro muito comum, que vale para a maior parte dos tópicos apresentados: as pessoas pensam que acontecimentos e ordenanças de Deus relatados no Velho Testamento se aplicam à igreja hoje, é preciso entender que o V.T. é histórico, ético, moral e profético, aponta para a obra expiatória de Cristo, a Lei se cumpriu n’Ele (Mt 5:17) o véu do Templo se rasgou, a antiga aliança não tem mais valor, entra em vigor a nova e eterna aliança (Mt 26:28 / Mt 27:51 / Hb 12:24) não adianta querer transformar o V.T. em um livro de receitas mágicas para solução de problemas (Gálatas 3);

Os músicos da igreja são Levitas

Pura mística, mais uma invencionice que pegou, os Levitas eram simplesmente os responsáveis pelo serviço no Tabernáculo, escolhidos da tribo de Levi (Nm 1:49-53). Quem canta/toca na igreja ou em grupos de louvor é apenas músico/cantor(a);

Óleo de unção tem poder de operar milagres

Ta aí um objeto extremamente místico, existe óleo para todo tipo de “unção” (prosperidade, cura, proteção, esquecimento, emagrecimento, etc, etc, etc), esse á mais uma aberração difundida pelo neopentecostalismo. E olha que é muito simples desmistificar essa prática, o óleo só é citado uma vez no N.T., no livro de Tiago e com a simples finalidade de oração para cura (e a pedido do enfermo) e ainda assim o texto diz que o que trará a cura é a oração (há estudos sobre propriedades medicinais do óleo usado na época).  Tg 5: 14,15. Óleo não tem poder nenhum, bem como objetos ungidos. Os demônios se curvam ante o nome poderoso de Jesus, o que passar disso é engano e idolatria. O caminho correto é a oração.

Não toqueis nos ungidos do Senhor

Muitos risos, essa é famosa atualmente. É tipo imunidade parlamentar, o camarada faz besteira a torto e a direito, ensina heresias a perder de vista, enriquece à custa da ignorância do povo, usa o nome do Eterno para ficar milionário com vendas de CD’s, DVD’s e shows, e ainda não pode ser questionado em nada que seus fiéis súditos já usam essa passagem em que Davi teve a oportunidade de se vingar de Saul mas respeitou o fato dele ser Rei (e que foi ungido para isso) – 1Sm 24:6. Engraçado que várias passagens da mesma bíblia advertem contra os falsos ensinos e falsos profetas principalmente nos últimos dias mas não são levados em conta (Mt 24:11,24 / 2Tm 4: 2-4 / 2Pe 2: 1-3). Isso só mostra que muitas pessoas estão realmente firmadas em seus líderes, não em Cristo. Falta a coragem que tinha de sobra em João Batista.

Dízimo é obrigação, é lei

Este é um bezerro de ouro difícil de quebrar, não questiono a necessidade de dinheiro para manutenção da congregação e outras finalidades da igreja (principalmente ajudar os membros menos favorecidos e investir em trabalhos missionário), porém se estudarmos as Escrituras veremos que Jesus e os discípulos não estipularam quantia (se alguém quer dar 10% ou outra procentagem é questão individual), esse valor não deve ser usado como moeda de troca com Deus. Contribua sim, mas com alegria, com gratidão, mas não faça como muitos que usam isso para cobrar bênçãos em troca. (2Co 9: 7-9). Se você crê que vivemos no tempo da Graça, por quê acredita no poder de barganha do dinheiro? (agora tem sido difundida a teologia da semente, que é um dos braços da teologia da prosperidade). Se você dá 10% de seu salário por medo do “devorador” e não se importa em como o seu dinheiro está sendo aplicado, lamento informar mas você está vivendo no engano, está sendo negligente com aquilo que o Senhor tem te dado. Quero deixar claro mais uma vez que não estou pregando contra a necessidade de recursos na igreja, apenas reforço que o dinheiro não pode ser usado como parâmetro para medir a fidelidade de um cristão, e muito menos deve se constranger quem não tem condições de ofertar (prática comum hoje em dia). Devemos sim contribuir, cada um de acordo com suas posses (1Co 16: 1,2).

Atos proféticos”, “palavras proféticas”, “sua palavra tem poder” e “determine a benção

Chega a ser patética essa ideia de que nós, seres caídos, pecadores, míseros diante do poder e soberania de Deus, temos algum tipo de poder espiritual, onde o Todo Poderoso depende de nossas palavras ou de nossa vontade para realizar Seus desígnios. Coitada dessa geração arrogante, que se acha cheia de direitos a ponto de dar ordens ao Criador (“eu ordeno”, “eu declaro”, “eu profetizo”). Ele é soberano, você pode “declarar” algo por toda a sua vida que se Ele não quiser fazer não fará. Ou então Ele pode dar ouvidos a uma simples e humilde oração e operar um milagre. A busca por Atos Proféticos (e por tudo que contem o termo ‘profético’) é gerada pela sensação de que a Bíblia não é suficiente para nos falar, para nos corrigir e nem para nos orientar, e muito menos para suprir nossas reais necessidades (2Tm 4:1-5). O fato é que esses atos, encontrados em sua grande maioria no Antigo Testamento, são direcionados à um povo, evento ou situação específica, e a Bíblia está apenas relatando o que houve. A Bíblia não está estabelecendo uma regra ou dizendo que deveríamos reproduzir o ato (é muito comum vermos pessoas imitando os 7 mergulhos de Naamã, fingindo que estão derrubando as muralhas de Jericó, passando dentro de bonecos infláveis com formato de baleia (risos), carregando/orando em réplicas da Arca da Aliança, realizando festas judaicas, tocando Shofar, etc),  o leitor da Bíblia deve observar o que o texto está dizendo, para quem está dizendo e para quando está dizendo. Muitas vezes algumas pessoas erram porque se apropriam de promessas que dizem respeito ao povo de Israel no Antigo Testamento, como se isso dissesse respeito a nós hoje. Portanto, uma coisa é a Bíblia relatar um fato, e outra coisa completamente diferente é a Bíblia dar uma ordem direta e aplicável a nós hoje.  (Dt 18:22).  Esse ensino Neopentecostal está muito em moda nestes dias onde vários pregadores dizem que “Há Poder em Suas Palavras” e expõem um sermão cristão misturado com paganismo místico. Todo este ensino de “há poder nas palavras” surgiu no mundo cristão nos anos 50 quando um pastor americano Norman Vicent Peale lançou o livro O Poder do Pensamento Positivo – em 1952. Era um livro evangélico de auto-ajuda, que ensinava que a fé pode conseguir qualquer coisa. A síntese do livro é a seguinte formula: “Ore, imagine, realize”. Devemos entender que este ensino não provém da Bíblia, mas das seitas místicas e movimentos esotéricos, como a Nova Era, que também ensinam que “as palavras tem poder”. Nem Jesus nem a Igreja Primitiva, nem os apóstolos, assim como em toda a Historia da Igreja Cristã Mundial não encontramos estes ensinos, é algo pagão e provém de mitos, é um ensino que veio do mundo das superstições e compartilhado no mundo pagão sem Deus (2Tm 4: 3,4). Qualquer passagem usada para defender tal ensino é uma afronta a inteligência, pois não existe tal ensino em toda a Bíblia, no Antigo Testamento e também no Novo Testamento. Passagens do Antigo testamento como Provérbios 18.21 ensinam “um poder nas palavras”? O único ensino de “poder nas palavras” que observamos pela Bíblia é o poder destruidor das palavras e seus efeitos. Por exemplo: Através de palavras ofensivas a uma pessoa poderei magoar um irmão de tal maneira que será mais fácil conquistar uma cidade do que aquele irmão (Pv 18.19).

Portanto meus irmãos, sejamos sóbrios e atentos como os bereanos, que não acreditavam em tudo que lhes era dito, antes conferiam nas Escrituras para avaliar se tudo que ouviam correspondia à verdade.

Encerro aqui a primeira parte desse artigo, só o Espírito Santo nos convence verdadeiramente da verdade, que Ele ilumine nosso entendimento e nos ajude a compreender a boa, perfeita e agradável vontade de Deus.

João 14: 6 – E conhecereis a verdade, e a verdade os libertará.

Marcos 7: 7,8b – Em vão, porém, me honram,Ensinando doutrinas que são mandamentos de homens. Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens.

 

 

Apologético · Ministerial · prosperidade

7 Maneiras de Combater o Evangelho da Prosperidade

idolatria-ganancia

 

Por Sugel Michelén

14 de Abril de 2014 

“Ser pobre é pecado” (Robert Tilton).

“Se agradarmos a Deus, seremos ricos” (Jerry Savelle).

“Deus quer que seus filhos vistam as melhores roupas, […] dirijam os melhores carros e tenham o melhor de tudo; apenas peça o que precisa” (Kenneth Hagin, Sr.).

Essas são afirmações desconcertantes, porém comuns dos pregadores do “evangelho da prosperidade”. O deus deles é uma espécie de empreendedor cósmico que pode ser usado através dos dízimos e das ofertas para alcançar o que realmente importa: uma vida próspera em termos meramente terrenos.

“Foge também destes”

Paulo nos constrange a ficar longe de “pessoas que têm a mente corrompida e que são privados da verdade, os quais pensam que a piedade é fonte de lucro” (1Tm 6.5). E em sua segunda carta a Timóteo, ele adverte seu filho na fé que “nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, […] mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes!” (2Tm 3.1-5).

Pedro também nos avisa que, assim como houve falsos profetas entre o povo de Deus na antiga aliança, “surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade. Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram” (2Pe 2.1-3; cf. Jd 11-16).

Infelizmente, apesar dos avisos claros das Escrituras, o evangelho da prosperidade possui um enorme e crescente grupo de seguidores. Isso não é difícil de entender, visto que a mensagem apela tão diretamente à nossa ganância natural. Ainda assim, é triste e desconcertante ver que tantas pessoas permanecem no movimento por um longo tempo, até mesmo por toda a vida, uma vez que os pregadores não são capazes de cumprir suas promessas.

A psicologia do evangelho da prosperidade

Por que o evangelho da prosperidade é tão atraente? Como ele ganha e mantém seguidores? Eu recentemente conversei com um irmão que esteve envolvido no movimento por 10 anos, que lançou alguma luz sobre a psicologia do evangelho da prosperidade.

    1. Um deus facilmente manipulado

O evangelho da prosperidade é atraente porque nos oferece um deus facilmente manipulado. Apesar dos ataques dos ateístas militantes nas últimas décadas, o homem não pode eliminar do seu coração a ideia de Deus, porque Deus deixou evidências de sua presença em toda a criação e deu ao homem a capacidade de entender essa evidência (Rm 1.18-21). O que torna o evangelho da prosperidade atraente para o homem caído é que ele parece colocar Deus do seu lado, eliminando o obstáculo da sua santidade e soberania.

O deus desses evangelistas não é aquele revelado nas Escrituras, de quem devemos nos aproximar segundo as condições que ele estabeleceu. Em vez disso, o deus deles é uma combinação do gênio da lâmpada de Aladim com um psiquiatra todo-poderoso, que pode ser facilmente manipulado através de ofertas e “palavras de fé”.

    1. Culpa e ganância

Segundo, o evangelho da prosperidade atrai as pessoas porque ele cria um ciclo de culpa e ganância. Quando as ofertas de riquezas ou saúde demoram para se materializar, as pessoas culpam a si mesmas por sua falta de fé ou por não serem generosas o suficiente. Essa culpa, combinada com a ganância em seus corações, as mantém agarradas às promessas desses falsos evangelistas, assim como o viciado em jogatina volta ao cassino diversas vezes esperando que um dia terá sorte.

    1. Temor religioso

Tais “evangelistas” tendem a inculcar temor religioso em seus seguidores para que eles não ousem questionar “o ungido do Senhor”. Isso impede a capacidade de seus ouvintes de objetivamente analisar o conteúdo da mensagem e a dicotomia evidente entre o estilo de vida deles e o modelo apresentado pelas Escrituras, sobre como o ministro do evangelho deve viver (1Co 4.9-13; 2Co 4.7-11, 11.23-28).

    1. Mordomia traz prosperidade

Outro fator que sustenta a propagação desse falso evangelho é que alguns experimentam, de fato, um grau de prosperidade financeira como consequência de colocar em prática princípios gerais de boa administração que aprendem em tais igrejas. Isso parece confirmar a legitimidade da mensagem que, por sua vez, aumenta a ganância em seus corações, pois “quem ama o dinheiro jamais dele se farta” (Ec 5.10).

Instruções para imunização

Como podemos imunizar nossos ouvintes contra essa ameaça? Eu tenho sete sugestões.

  1. Ensine-os a ler a Bíblia em seu contexto. Os pregadores da prosperidade citam as Escrituras, especialmente o Antigo Testamento, mas negligenciam os contextos geral e imediato dos textos que citam.
  2. Apresente claramente as exigências do evangelho (Mc 1.14-15; At 2.38, 3.19, 26) e o verdadeiro discipulado (Mc 8.38-37; Lc 14.25-33; Fp 1.29).
  3. Inculque neles o espírito dos bereianos (At 17.11). Uma coisa é respeitar a autoridade pastoral (Hb 13.17), mas outra coisa muito diferente é seguir cegamente um líder mesmo quando ele se afasta dos claros ensinos das Escrituras (Rm 16.17-18; Fp 3.17-19).
  4. Pregue sobre as advertências da Bíblia contra a ganância (Pv 23.4-5; Lc 12.15; 1Tm 6.6-10, 17-19; At 13.5-6).
  5. Ensine-os que Deus é bom, sábio e soberano na dispensação de seus presentes. Nem todos os seus filhos serão prósperos e saudáveis deste lado da eternidade, mas todos experimentarão o mesmo amor e cuidado paternal manifestado de diversas maneiras para a sua glória e o bem das nossas almas (Jn 11.3; Fp 2.25-30; 1Tm 5.23).
  6. Ensine-os em como lidar com a tensão de ser um filho de Deus vivendo em um mundocaído (Jn 15.18-21; 17.14-16; At 11.13).
  7. Acima de tudo, apresente Cristo como a pérola de grande valor, que infinitamente ultrapassa em valores qualquer coisa que este mundo transitório possa oferecer (Mt 13.44-46; Fp 3.7-8).

Tradução: Alan Cristie

Fonte:  http://www.ministeriofiel.com.br/artigos/detalhes/668/7_Maneiras_de_Combater_o_Evangelho_da_Prosperidade

Apologético · Devocional · Ministerial

O ABANDONO DAS ESCRITURAS E A APOSTASIA

Por Renato Santiago

OXYGEN Volume 10

Paz seja com todos!

Após alguns anos na caminhada cristã, posso dizer que já vi praticamente todo tipo de loucuras em nome de Deus. Muitas vezes as aberrações doutrinárias partem de pessoas sinceras, que desejam servir a Deus de todo coração e com a melhor das intenções, mas sem direção. Infelizmente vivemos dias em que a sociedade está em declínio moral e espiritual, e isto está atingindo a Igreja de Cristo de maneira avassaladora.  Quem deveria ser “sal da Terra” e “luz do mundo” (Mt 5:13,14) acabou se tornando ínspido e apagado.

Poderia enumerar aqui alguns motivos para isso, mas nesse post gostaria de compartilhar o que penso ser um dos principais fatores que tem contribuído para a apostasia dos dias atuais: a falta de conhecimento das Escrituras Sagradas (principalmente no que tange à Exegese e Hermenêutica).

Normalmente quando uma pessoa se converte a Cristo, uma das primeiras coisas que aprende é que a Bíblia é a única regra de fé do cristão, correto? Sim, correto, mas maioria das vezes não é assim que tem funcionado.

Com a multiplicação de congregações e denominações atualmente, acabou se formando um número excessivo de líderes e pastores sem o devido preparo para o manuseio da Bíblia, contribuindo para o aparecimento e disseminação de doutrinas anti e extra-bíblicas. Ora, se o líder do rebanho não tem a instrução suficiente para manusear a Palavra de Deus,  que se dirá então dos membros? Como será a saúde espiritual de uma congregação que não se esmera em estudar a Bíblia? Não estou dizendo que todos tem que ter acesso à teologia ou seminários, não é isso, mas quem pastoreia um rebanho tem que ter o mínimo de discernimento sobre como interpretar as Escrituras, e poder assim alimentar suas ovelhas com “comida limpa”.

Uma famosa passagem do livro de Oséias reflete de maneira quase profética a situação atual: “o meu povo foi destruído porque lhe faltou o conhecimento…” (Os 4:6). O próprio Jesus alertou sobre a importância da Bíblia: “Errais não conhecendo as Escrituras e o poder de Deus.”

Por isso posso afirmar sem medo de errar: para a maioria dos cristãos (os evangélicos) de hoje, a Bíblia não é a exclusiva regra de fé de sua vida, a Palavra de Deus escrita não é autoridade máxima sobre pensamentos humanos, pelo menos para essa geração gospel.

“Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra, luz para o meu caminho” (Sl 119:105) é um texto muito dito e pouco praticado. A maioria prefere seguir mesmo é a palavra dos homens, gostam de ser enganados, aceitam qualquer coisa, pensam que um pouco de verdade misturada com mentira resulta em uma quase verdade, alguns até costumam dizer que “realmente o pregador falou um monte de besteiras, mas o importante é reter o que foi bom”, ledo engano. Não à toa que Paulo elogiou os bereanos, afirmando que eles foram mais nobres que os tessalônicos simplesmente pelo fato de terem o hábito de consultar as Escrituras para ver se as coisas eram assim (At 17:11).

Se as pessoas amassem a  Palavra de Deus de verdade, não aceitariam tanta palhaçada em nome de d’Ele, não seriam tão facilmente levadas por todo vento de doutrina, não seriam tão facilmente enganadas pelos lobos devoradores (Mt 7:15), não acreditariam em falsas revelações, não seriam levadas por ondas de avivamento que só fazem as pessoas desmaiar e agir como loucas mas não produz nenhum fruto de arrependimento. A Bíblia não erra, devemos crer nela, somente nela como regra de fé.

Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade” (Jo 17:17).

adorando-arca

Por exemplo: é  comum vermos a influência do judaísmo no meio cristão, igrejas adotam festas e costumes judeus como se Deus estive se agradando disso. Pensam que adornar o templo com réplicas de utensílios do Tabernáculo tem algum valor espiritual, entram e saem de seus corredores carregando cópias da Arca da Aliança buscando simbolizar a presença de Deus (como se a presença do Senhor precisasse ser simbolizada na Nova Aliança), não imaginam que assim estão recosturando o véu, estão cuspindo na cruz de Cristo, se lessem o livro de Gálatas e entendessem o que ele diz, talvez saberiam que a Lei se cumpriu em Cristo, que não se remenda roupa velha com pano novo. Saberiam que o Cristianismo é superior ao judaísmo. Infelizmente, estes não conhecem a suficiência da cruz de Cristo, precisam de novidades, de símbolos, de entretenimento. Se conhecessem a Graça e a Liberdade que há em Jesus, não se tornariam macumbeiros travestidos de “cristãos”, inventando seus “atos proféticos” que não tem valor algum para o Reino.

Em vão porém me honram, ensinando doutrinas que são mandamentos de homens” (Mc 7:6).

Se realmente entendessem através das Escrituras que a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se vêem (Hb 11:1) não teriam aderido tão facilmente ao misticismo idólatra da utilização de objetos ungidos, dando a desculpa esfarrapada de que são “pontos de contato”, na verdade são incrédulos, assim como foi Tomé, por que precisam ver, precisam apalpar para crer. Muitos andam como quem procura cartomantes, horóscopos, buscam revelações em pastores, “profetas”, adivinhos, fazendo um típico sacerdócio papal, onde o guru espiritual é dono da última palavra, e todos dizem amém.

Sabe por que acontece isso? Por que sua fé não está firmada sobre a rocha, mas é como uma folha de bananeira que balança para o onde vento sopra. Não tem consistência.

Se conhecessem o sumo-sacerdócio de Cristo, se entendessem a obra da Cruz, saberiam que o véu se rasgou de alto abaixo e abriu-se assim um acesso entre aquele que crê e o próprio Deus, não necessitando de nenhum mediador na Terra, pois Jesus é o único mediador entre Deus e o homem (I Tm 2:5). Mas não, muito viajam milhares de quilômetros para receber uma oração do pregador que viram na TV, um “ungido”, quase um Messias, pois a oração dele vai mudar a vida daquele que crê, e se vier acompanhada de uma “semente” (financeira) aí que os encostos não resistirão mesmo a tamanha fé! Será?

Acham um absurdo a idolatria católica com suas procissões infindáveis, mas se espremem em shows góspel, andam quilômetros em “marchas para Jesus” usando suas camisas com nomes de artistas atrás de lideres que só fazem politicagem, fazem fila para conseguir um autógrafo de seu cantor góspel favorito (e ai daquele que criticar os astros góspel, mesmo que suas canções sejam um poço de besteirol), ah, mas os católicos é que são idólatras, nós não somos, afinal de contas colocamos a Palavra góspel, aí fica tudo numa boa.

Falta Bíblia, falta ler, estudar e praticar. Servir a Deus é simples, em resumo é abandonar o pecado e viver segundo a Palavra de d’Ele, o Evangelho é simples, mas vivê-lo exige renúncia, exige abandonar o “eu” e levar minha cruz, amar o próximo, perdoar, andar na contramão do mundo, mas acreditar nisso pra que? Se o pastor da televisão disse que Jesus morreu na cruz para que eu fosse rico, feliz e saudável, e ainda provou essa tese ao exibir vários testemunhos de “vitória financeira”, ora ora, é isso que eu quero!!! É claro que eu creio, estou vendo!!!! Dizem.

É necessário voltar às Escrituras,  Jesus se revelou a nós através da Bíblia e o Espírito Santo nos guia a toda a verdade, precisamos incentivar a leitura e o estudo da Palavra de Deus em nossa casa, na igreja, precisamos ser corajosos como Lutero, romper com os dogmas humanos e enfrentar as influências demoníacas nas mentes das pessoas, através de oração, da pregação do Evangelho da Cruz.

A Bíblia é a Palavra de Deus, é nosso escudo, é uma espada contra as artimanhas de Satanás, nossa fonte de conhecimento de Deus, de sabedoria. É a Revelação escrita do amor de Deus derramado em Cristo Jesus, é um tesouro, uma fonte inesgotável de vida. Ame-a, esmere-se em buscar conhecer mais a Deus, procure viver Seus princípios, e desfrute da maravilhosa Graça que Ele nos concedeu.

“Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios” (I Tm 4:1)

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (II Tm 2:15).

Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra” (II Tm 3: 16,17).

Apologético · Ministerial

OS 10 PRINCIPAIS ERROS DE UMA PREGAÇÃO NEOPENTECOSTAL

 

Antes de qualquer coisa gostaria de afirmar que acredito que boa parte dos pastores neopentecostais  amam a Cristo e desejam de servi-lo com integridade, honestidade e compromisso. Entretanto, em virtude do desconhecimento das Escrituras, além é claro de não terem sido qualificados para a pregação, cometem erros que muitas das vezes contribui com a maculação da mensagem. Nessa perspectiva não são poucas as ocasiões em que os pregadores neopentecostais erram feio passando aos seus ouvintes percepções equivocadas das Escrituras Sagradas.
Isto posto, gostaria de elencar aquilo que considero os 10 principais erros de uma pregação neopentecostal:

1-) Alegorização das Escrituras

Uma das principais características do pregador neopentecostal é o uso de alegorias em seus sermões. É comum por exemplo observamos muitos dos pastores neopentecostais dizendo aquilo que as Escrituras não ensinam. Outro dia eu ouvi um “Apóstolo” ensinando que os Jebuseus, heteus e amorreus (Dt 7:01; 20:17; Js 3:10) simbolizam, o diabo, a carne e o mundo. Para o pregador em questão toda vez que a bíblia faz menção aos amorreus, (Marcos 2: 3-12) significa que Deus deseja a morte do “eu”. Noutra ocasião soube de um pregador que ensinou que os amigos do paralítico curado por Jesus simbolizavam, amor, compaixão, misericórdia e companheirismo.
Caro leitor,  por favor pare e pense: não é isso que a Bíblia ensina não é verdade? O pregador poderia até dizer que os amigos do paralítico agiram com amor, compaixão, misericórdia, companheirismo e muito mais. Todavia, afirmar que os quatro representavam isso é demais da conta, não é mesmo? Quanto aos amorreus é uma forçação de barra  descomunal. Dizer que estes simbolizavam a morte do “eu” é demonstrar nenhum conhecimento de hermenêutica e exegese.
Alegorizar as Escrituras é um método de interpretação muito perigoso. O reformador alemão Martinho Lutero foi um grande defensor do método literal, em contraposição ao método alegórico que predominou na idade média.  Lutero dizia:  “As escrituras devem ser mantidas em seu significado mais simples possível e entendidas em seu sentido gramatical e literal, a menos que o contexto claramente o impeça”. João Calvino como Lutero, também rejeitava a interpretação alegórica das Escrituras. O reformador francês ressaltava o método histórico e gramatical, a natureza cristológica, o ministério esclarecedor do Espírito Santo e o correto tratamento das tipologias no Antigo Testamento

2-) Ausência de uma hermenêutica Bíblica

Um dos maiores problemas dos pastores neopentecostais  é a falta do conhecimento das regras da Hermenêutica Bíblica para a pregação da Palavra. Em virtude disso  é extremamente comum ouvirmos absurdos, que, muitas vezes, acabam causando enormes contradições doutrinárias e até mesmo as famosas “heresias de púlpito”.
A expressão Hermenêutica provém da palavra grega “hermeneutike” que, por sua vez, se deriva do verbo “hermeneuo“, significando: a arte de interpretar os livros sagrados e os textos antigos. Segundo a história Platão, foi o primeiro a utilizar essa palavra. A hermenêutica forma parte da Teologia exegética, ou seja, a que trata especificamente da interpretação das Escrituras.À luz desta afirmação gostaria de levá-lo a refletir comigo sobre os princípios hermenêuticos usados por Calvino:1º – Calvino Renunciou a alegorias  entendendo serem elas armas de deturpação do sentido das Escrituras.
2º   Calvino costumava enfatizar o sentido literal do texto.
3º   Ele acreditava que o ministro deveria ser inteiramente dependente da operação do Espírito Santo para a correta interpretação da Bíblia.
4º   Ele valorizava o estudo das línguas originais para melhor compreensão do ensino sagrado.
5º   Ele cria numa tipologia equilibrada, evitando impor a textos vetero-testamentários simbolismos que eles não suportam.
6.   E por fim ele acreditava que a melhor forma de se interpretar a Bíblia é a própria Bíblia.

3-) Exagero nas expressões coloquiais e chavões eclesiásticos

Uma das práticas pentecostais mais comuns é uso de chavões. Confesso que ouvir alguns dos nossos pastores pregando é um verdadeiro desafio. Se não bastasse o constante atentado ao vernáculo, suas mensagens estão repletas de expressões e chavões. É comum em meio às pregações ouvirmos: “Este varão é canela de fogo. Aquela irmãzinha que caiu no rétété. Deus desenrolou o mistério pro vaso? Eita manto, né? Não dá mole não que o chicote queima irmão! Ah! graças a Deus que eu conquistei a minha rebeca! Sim, porque jovem solteiro é treva, irmão! Tá amarrado! A abençoada é uma jovem crente! Consegui fugir dessa Jezabel que era laço! Julgo desigual não vale! É benção. Misericórdia! Oh glória! Somos cabeça, não cauda. Determine a benção! Quando eu era do mundo… Queima! Geração apostólica. Amém ou não amém? E diga  para a pessoa que está ao seu lado. Repita comigo! Pois é, em pregações deste tipo se gasta muito mais tempo usando os jargões evangélicos do que se proclamando a Palavra de Deus. Na verdade, boa parte dos pastores demonstram ao longo da aplicação da mensagem um completo despreparo teológico, optando assim escancaradamente pelo uso invariável de chavões.Isto posto, é impossível não nos lembrarmos de homens como o Dr. Martin Lloyd-Jones. Nos cultos que pregava, centenas de pessoas eram atraídas pela pregação expositiva da Palavra de Deus. O doutor, como era chamado, levava muitos meses, até mesmo anos, a expor um capítulo da Bíblia, versículo por versículo. Os seus sermões muitas vezes duravam entre cinquenta minutos e uma hora, atraindo muitos estudantes das universidades e escolas em Londres que encantados ficavam com a pregação do evangelho.Vale a pena lembrarmos daquilo que o reformador francês João Calvino costumava dizer quanto a Palavra de Deus. “A Escritura é a fonte de toda a sabedoria, e os pastores devem extrair dela tudo aquilo que expõem diante do rebanho” Calvino afirmava que através da exposição da Palavra de Deus, as pessoas são conduzidas a liberdade e a segurança da fé salvadora, dizia também que a verdadeira pregação, tem por objetivo abrir a porta do reino ao ouvinte, isto é, em outras palavras o que ele está a nos dizer, é que as Escrituras Sagradas, devem ser o principal instrumento na condução, consolidação e pastoreamento do povo de Deus.

4-) O uso e a miscigenação de textos bíblicos com textos bíblicos fora de contexto

Essa é uma prática muito comum entre os pregadores neopentecostais. Para fundamentar sua teologia os pastores em questão misturam textos variados usando-os fora de contexto para justificar seus ensinos equivocados. Nessa perspectiva por exemplo é comum o pregador neopentecostal ao ensinar sobre sobre um determinado assunto usar versos isolados das Escrituras, misturando-os segundo seu próprio entendimento, criando assim distorções doutrinárias das mais sérias. O interessante é que dificilmente você encontrará um pregador neopentecostal pregando as Escrituras de forma expositiva, até porque, se pregasse expositivamente ele não teria como sustentar seus ensinamentos.

5-) A forte ênfase na satisfação das necessidades humanas

Uma das principais ênfases da pregação neopentecostal é a satisfação das necessidades humanas. O púlpito neopentecostal não fala do pecado, das consequências dele, da salvação pela graça mediante a fé em Cristo Jesus, bem como das doutrinas fundamentais a fé cristã. Antes pelo contrário, no púlpito neopentecostal não há espaço para as doutrinas da graça, mesmo porque o foco principal do pastor neopentecostal é satisfazer o cliente.
Caro leitor, se fizermos uma análise dos cultos neopentecostais chegaremos a conclusão que boa parte do tempo da reunião é focado exclusivamente no homem e em suas necessidades.

6-) Foco constante em autoajuda e no bem estar humano

Os púlpitos neopentecostais  estão repletos de pregadores que abandonaram a exposição das Escrituras em detrimento a técnicas de autoajuda. Nessa perspectiva é comum encontrarmos nas homilias neopentecostais ênfases quase que exclusivas na satisfação humana, para tanto, tornou-se comum por parte dos pastores neopentecostais o uso de técnicas de psicologia e psicanálise em suas homilias. Pois é, a impressão que tenho é que alguns pregadores em nome da “satisfação humana” abdicaram da mensagem da Cruz tornando-se   mestres de autoajuda, afagadores do ego. 7-) Ausência das principais doutrinas cristãs como salvação pela graça, perdão de pecados e vida eterna
O pregador neopentecostal não prega sobre as principais doutrinas do Cristianismo. No púlpito neopentecostal não encontramos qualquer tipo de menção a doutrinas como Salvação pela graça, Imputação de pecados, volta de Cristo, destino eterno dos homens, juízo final e muito mais.

8-) Foco em riquezas e prosperidade

O pregador neopentecostal não tem outro tipo de pregação a não ser aquela que foque em  prosperidade, riqueza material e sucesso. No púlpito neopentecostal tudo está relacionado ao aqui e agora, e  o foco da mensagem é a satisfação humana. Para o pregador neopentecostal o que mais importa é a bênção de Deus sobre todos aqueles que invocarem poderoso nome do Senhor.

9-) Ausência do Evangelho

No púlpito neopentecostal prega-se tudo menos o evangelho. Nessa perspectiva dificilmente encontramos o pregador pregando sobre pecado, arrependimento, fé e necessidade de salvação. A mensagem do Evangelho para o pregador neopentecostal relaciona-se diretamente as bênçãos de Deus e nunca a necessidade de arrepender-se de salvação e vida eterna. 10-) A super valorização do poder do diaboAlguns pregadores neopentecostais enxergam o diabo em tudo. Os pastores em questão construíram em suas mentes a ideia de que a vida é um grande conflito entre forças opostas.
O Movimento neopentecostal tem contribuído efetivamente com a propagação deste conceito, concedendo a Deus e o diabo; pesos idênticos. Para estes, a vida é uma grande trincheira, onde satanás e o nosso Deus lutam de igual para igual pelas almas da humanidade. Esta afirmação aproxima-se em muito da antiga heresia conhecida como maniqueísmo que ensinava que o universo é dominado por dois princípios antagônicos e irredutíveis: Deus ou o bem absoluto, o Diabo ou o mal absoluto. Infelizmente por considerar o bem e mal, como forças idênticas em peso e poder, os pregadores desta doutrina rejeitam a soberania de Deus sobre o inimigo de nossas almas.
Caro leitor, as Escrituras Sagradas em momento algum nos mostram um mundo dualista onde bem e mal protagonizam batalhas pirotécnicas cujo final é imprevisível. Antes pelo contrário, ainda que a Bíblia nos mostre as ações ardilosas de nosso inimigo, os quais não devem ser desprezadas, ela jamais trata do diabo como alguém que tem poder para se opor a vontade soberana de Deus.
Por favor, pare, pense e responda: Quem está regendo os acontecimentos na terra, Deus ou o diabo? Quem reina majestosamente no céu, Deus ou o diabo? Quem a Bíblia diz que estabelece e destitui reis, conforme a sua soberana vontade?
Ora, a visão de Deus reinando de seu trono é repetida nas Escrituras inúmeras vezes (I Rs 22.19; Is 6.1; Ez 1.26; Dn 7.9; Ap 4.2). Na verdade, os muitos textos bíblicos possuem a função de nos lembrar em termos explícitos, que o SENHOR reina como rei, exercendo o seu domínio sobre grandes e pequenos. O senhorio de Deus é total e nem mesmo o diabo pode deter seu propósito ou frustrar os seus planos.
Os neomaniqueistas sem que percebam rejeitam o governo de Deus na história, fundamentando sua fé em achismos e impressões absolutamente antagônicas ao ensino bíblico. Nas doutrinas neomaniqueistas, Caim virou Vampiro, portais dimensionais se abriram, trazendo a tona lobisomens, dentre outras lendas e superstições absurdas. Além disso, batalhas hercúleas são travadas a cada dia no mundo espiritual por Deus e o diabo, demonstrando assim o “quão forte e poderoso é o inimigo de nossas almas”.
Caro leitor, Jesus Cristo é o libertador e rei triunfante, é o autor e consumador de nossa fé, o Senhor da gloria. Sobre ele satanás não teve controle, nem tampouco poder. Através da morte na cruz , Cristo quebrou as forças opressoras do diabo, transportando-nos graciosamente para o Reino de Deus Pai. A guerra já foi vencida! Louvado seja o seu santo nome por isso! Satanás não tem poder sobre os eleitos de Deus! Somos de Cristo, e com Cristo viveremos por toda eternidade!

Extraído do blog do Pr. Renato Vargens:  http://renatovargens.blogspot.com.br/2013/10/os-10-principais-erros-de-uma-pregacao.html

Apologético · Ministerial

O que é neopentecostalismo?

 

Tanto o Pentecostal como o Neopentecostal são definidos por sua teologia. É a teologia que caracteriza a identidade de cada um, por isso, o melhor é analisarmos historicamente e teologicamente a trajetória dos dois grupos cristãos.Os pentecostais

O movimento pentecostal surgiu nos Estados Unidos em Topeka, Kansas, no início do século XX. Influenciado pelo movimento pietista de comunhão com Deus através do estudo das Escrituras, movimento este que teve início em 1635.  Charles Parham fundou uma escola com a finalidade de estudar a Bíblia e buscar o avivamento de Atos capítulo 2. Um de seus estudantes, chamado Seymour passou a promover reuniões, em casas da cidade e, no dia 6 de abril de 1906, numa dessas reuniões, um menino de 8 anos falou em línguas, seguido de outras pessoas. Iniciava-se, assim, pelo menos formalmente, o movimento pentecostal.

Ênfase Teológica

No início do século XX, o pentecostalismo passou a enfatizar o batismo no Espírito Santo como revestimento de poder; as línguas estranhas como evidência da manifestação do Espírito Santo no crente; a manifestação dos dons espirituais. Numa das reuniões de Seymour, em Los Angeles, estava presente o pastor de uma igreja batista em Chicago, W. H. Durham, que também falou em línguas. No Brasil, o pentecostalismo está diretamente ligado ao movimento de Los Angeles, pois foram dois missionários deste movimento que trouxeram para o país o pentecostalismo. Daniel Berg e Gunnar Vingren, discípulos de Durham, em novembro de 1910. Eles chegaram ao Brasil convictos de que Deus os enviara a pregar a mensagem cristã a esta grande nação. Em junho de 1911, organizou-se em Belém do Pará, à Rua Siqueira Mendes, nº 67, a primeira Igreja de Fé Pentecostal no Brasil, primeiramente sob o título de “Missão de Fé Apostólica”, alterado em janeiro de 1918 para “Assembléia de Deus”, por Convenção realizada em Chicago, EUA.

Os Neopentecostais

Segundo Ricardo Mariano, em Neopentecostais – Sociologia do Novo Pentecostalismo no Brasil, (citado na revista Compromisso, 1º trimestre de 2003, págs. 79-80), o movimento pentecostal brasileiro se divide em três ondas:

A primeira onda é o chamado “Pentecostalismo Clássico”, da Rua Azuza no início do século XX.  A segunda onda é conhecida por “deutero-pentecostalismo” ou “pentecostal neoclássico”, movimento de cura divina do início da década de 50. Por fim, a terceira onda: “neopentecostalismo”, tendo suas origens na segunda metade da década de 70. Os precursores do movimento neopentecostal (Edir Macedo, R. R. Soares e Miguel Ângelo) saíram da Igreja de Nova Vida, do missionário canadense, naturalizado norte-americano, Robert McAlister, e fundaram as primeiras igrejas neopentecostais em solo brasileiro: Igreja Universal do Reino de Deus (1977), Internacional da Graça de Deus (1980) e Cristo Vive (1986). Ao lado destas três primeiras igrejas, encontramos ainda outras comunidades que se originaram de outras denominações tradicionais.

Expoentes e raízes teológicas

Dois nomes bastante influentes na teologia neopentecostal, com certeza são: Essek William Kenyon e Kenneth Hagin.

1. KENYON. Nasceu em 24 de abril de 1867, em Saratoga, Nova York, EUA, falecendo aos 19 de março de 1948, ele tinha pouco conhecimento teológico formal. “Kenyon nutria uma simpatia por Mary Baker Eddy” (Gondim, p. 44), fundadora do movimento herético “Ciência Cristã”, que afirma que a matéria, e a doença não existem. Tudo depende da mente.

2. KENNETH HAGIN. Discípulo de Kenyon. Nasceu em 20 de agosto de 1917, em McKinney, Estado do Texas, EUA. Sofreu várias enfermidades e pobreza; diz que se converteu após ter ido três vezes ao inferno (Romeiro, p. 10). Aos 16 anos diz ter recebido uma revelação de Mc. 11: 23,24, entendendo que tudo se pode obter de Deus, desde que confesse em voz alta, nunca duvidando da obtenção da resposta, mesmo que as evidências indiquem o contrário. Isso é a essência da “Confissão Positiva”.

Estes dois são os pulverizadores da teologia neopentecostal não apenas no Brasil, mas em toda América, misturaram teologia com gnosticismo e criaram uma estrutura teológica que encontrou solo fértil num país como o nosso; que é de terceiro mundo e sofre com questões básicas como saúde, falta de moradia, segurança, entre outras.

Teologia dos Neopentecostais

1. Teologia da prosperidade: A teologia da prosperidade, defendida pelos neopentecostais, afirma que um cristão verdadeiro e fiel a Deus, tem o direito de obter a felicidade integral, pode exigi-la, ainda durante a vida presente sobre a terra.

2. Confissão positiva: Confissão positiva é um título alternativo para a teologia da forma da fé ou doutrina da prosperidade promulgada por vários televangelistas “a expressão “confissão positiva” se refere literalmente a trazer à existência o que declaramos com nossa boca, uma vez que a fé é uma confissão”.

3. Maldições hereditárias: Chamada também de Quebra de Maldições, Maldições Hereditárias, Maldição de Família e Pecado de Geração. Pode ser definida como: A autorização dada ao diabo por alguém que exerce autoridade sobre outrem, para causar dano à vida do amaldiçoado. A Bíblia ensina que a responsabilidade do pecado é pessoal: Veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: Que tendes vós, vós que, acerca da terra de Israel, proferis este provérbio dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram? Tão certo como eu vivo, diz o SENHOR DEUS, jamais direis este provérbio em Israel (…). Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá (Ez. 18: 1-4).

4. Possessão de crentes: Os pregadores neopentecostais tem uma cosmovisão que dá lugar à crença na possessão de crentes por demônios. Essa crença fica clara no livro Orixás, Caboclos & Guias: Deuses ou Demônios (pgs. 101-104) no capítulo “Crentes endemoninhados?” – Macedo afirma claramente que o capítulo é fruto de sua observação: “Este capítulo não existiria se eu não tivesse visto constantemente pessoas de várias denominações evangélicas caírem endemoninhadas, como se fossem macumbeiras, ao receberem a oração da fé”. O Bispo Macedo não oferece nenhum texto bíblico como argumento para comprovar tal doutrina. Apenas fez “uma observação”.

O culto neopentecostal

A Bíblia nos apresenta um modelo de culto que é a adoração a Deus na pessoa de Cristo. Portanto, Cristo é o centro do culto, tudo deve girar em torno dEle e para Ele (Hebreus 10: 19-25).
Não é o que vemos num culto neopentecostal, onde o homem passa a ser o centro (antropocentrismo) do culto, tudo é para o homem (letras dos hinos, mensagens proferidas, testemunhos e outros) e feito na intenção de satisfazer esse homem. Isto não é bíblico, por atraente e satisfatório que pareça, não é para o homem que prestamos culto e sim para Deus. É quando prestamos culto a Deus que somos confrontados com nossa realidade, e descobrimos que somos carentes da graça de Deus. Neste momento Ele nos edifica e restaura; num culto antropocêntrico não existe espaço para Deus.

Outras práticas do culto neopentecostal

Hoje observamos práticas que eram comuns na Idade Média onde o catolicismo se utilizava de objetos ditos sagrados (posse de relíquias; unção e santificação de objetos; água benta; pedaços da cruz de Cristo; bulas papais etc.) para efetuar cura e absolvição de pecados. Essas mesmas práticas, os cristãos brasileiros, até a década de 70, só as viam nos cultos sincretistas afro-brasileiros (banhos sagrados, uso de rosas vermelhas, sal grosso, entre outras). É de assustar quando vemos igrejas neopentecostais usarem práticas e objetos ( copo d’água, rosa ungida, sal-grosso, pulseiras abençoadas, peças de roupas de entes queridos, óleos de Jerusalém, águas do rio Jordão, trombetas de Gideão, cajado de Moisés, cultos de descarrego etc.) como na Idade Média e no sincretismo brasileiro, em seus cultos. Esses objetos acabam servindo de mediação entre o homem e Deus. O perigo é que a Bíblia nos apresenta Cristo como sendo o único mediador entre Deus e o homem (I Tm. 2:5; Hb. 9:15; Hb. 12:24).

A evangelização dos neopentecostais

Jesus nos ordenou a pregar o Evangelho a todas as criaturas (Mt. 28: 19-20), a mensagem deve levar o ouvinte a crer no Senhor Jesus Cristo e a se arrepender e confessar os seus pecados, para obter a salvação (Rm. 10:10). O que vemos na evangelização neopentecostal é uma mensagem onde a pessoa é levada a satisfação do bem estar pessoal e não a uma mensagem de confissão para o perdão; isto é proselitismo e não pregação do Evangelho. Proselitismo é quando uma pessoa faz adesão a uma religião não por fé, mas por costume. Isto era o que Israel fazia com as pessoas que não eram cidadãos israelitas, mas que queriam professar a mesma crença; esta pessoa passava pelo ritual da circuncisão e assim se tornava israelita.

Conclusão:

Devemos firmar o compromisso de que a Bíblia é nossa única regra de fé e prática, portanto, nossa conduta eclesiástica deve se pautar na revelação divina, não devemos copiar ou aderir à práticas que não são aceitas pelo nosso presbitério. Sejamos fiéis primeiro àquele que nos chamou e que nos colocou como servos seus, para cuidar do seu rebanho. Não temos o direito de transformar a Igreja de Cristo em uma comunidade com objetivo e propósitos diferentes dos ensinados pelo Senhor da Igreja.

Comentários

O crente é santuário do Espírito Santo: Acaso não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo (I Co. 6: 19-20).

O Espírito Santo tem zelo por nós: Ou cuidais vós que em vão diz a Escritura: O Espírito que em nós habita tem ciúmes? (Tg. 4:5)

O crente é propriedade peculiar de Deus: Em que também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança até ao resgate da propriedade, em louvor da sua glória (Ef. 1: 13-14).

Jesus é o mais que valente que tomou posse da propriedade (Lc. 11: 21-22), portanto em Cristo estamos seguros.

Fonte:  http://blogdopcamaral.blogspot.com.br/2011/03/o-que-e-neopentecostalismo.html

Ministerial

A importância do discipulado

DiscipulosPor Thiago Schadeck

A paz do Senhor!

Estava meditando sobre a situação da Igreja evangélica atual e sem dúvidas o principal motivo dessa derrocada é a falta de um bom discipulado. A Igreja de nossa época expandiu de uma forma inacreditável, e quem sabe sonhada, há alguns anos. Conforme o ultimo censo 25% da população brasileira confessa a fé evangélica, porém uma grande porcentagem desses evangélicos não conhecem bem a Bíblia e ao Deus a quem dizem servir.

A pergunta que deve-se fazer é: De quem é a culpa por essa falta de discipulado, dos membros ou dos líderes?

Na minha opinião, a maior parte da culpa é dos líderes. Quem sabe mais, tem mais condições de questionar e isso é péssimo para líderes egocêntricos, gananciosos, que deturpam o Evangelho de Cristo para suprir os seus desejos maquiavélicos. Mas também não tiro a responsabilidade dos membros porque a responsabilidade de crescer no relacionamento com Deus é individual.

Muita gente se contenta apenas com o “eis que te digo” em vez de se preocupar com uma boa pregação, com linguagem compreensível e que exalte a Deus e sua soberania, preferimos colocar Deus na parede e exigir, determinar, decretar as bênçãos – materiais – sobre nossas vidas e achamos que só porque entregamos o dízimo e damos ofertas generosas acreditamos que Deus se torna nosso refém.
Todos somos discípulos e devemos aprender uns com ou outros em todo o tempo. Ninguém sabe o suficiente sobre Deus e nem tem experiências suficientes com Ele para poder bater no peito e se gabar de estar pronto para reivindicar algo do Senhor. Quanto mais aprendemos sobre o Senhor e temos experiência de convivência com Ele, mais nos colocamos em nosso lugar de servos e aceitamos a soberania dEle, sabendo que nada do que acontece em nossas vidas é sem a devida permissão dEle.

Fazer discípulos não é nada fácil. Pessoas com diversos tipos de criação a os mais variados históricos de vida são trazidas a nós pelo Senhor. São pessoas que Ele mesmo escolheu e colocou em nosso caminho, para que as instruamos em Seus caminhos e vivamos as boas novas ao lado delas, para que ao final de nossa história possamos desfrutar da vida eterna juntos.
O próprio Senhor Jesus enfrentou problemas com seus discípulos. Quando ele teve setenta discípulos e estava pregando uma palavra mais dura, a grande maioria foi embora (João 6:48-71). Dos doze que sobraram, a maioria tinha falhas de caráter e estavam sendo tratados por Cristo. Pedro era o bruto da turma, que gostava de resolver tudo na força bruta, vide o momento da prisão de Jesus em que ele corta a orelha do soldado romano. João, que depois ficou conhecido como o apóstolo do amor, certa vez sugeriu a Jesus que orasse e pedisse a Deus que enviasse fogo do céu e exterminasse os inimigos. E se formos falar sobre Judas? Esse roubava da bolsa em que eram guardadas as ofertas, que queria que Jesus fosse um grande general para libertar o povo na base da força e no final vendeu o seu mestre por 30 moedas. Quando Judas se deu conta da besteira que havia feito e sentiu remorso, tentou concertar as coisas devolvendo o dinheiro. Como os sacerdotes não aceitaram, ele foi ao extremo e se matou.

Em nossas vidas não é diferente, o Senhor nos dá pessoas para liderarmos e orientarmos pela Palavra com os mais diversos tipos de problemas: drogados, ladrões, prostitutas, insubordinados, maldosos, maliciosos, pessoas que vêem em Deus uma espécie de Papai Noel que dá presentes para quem se comporta, pessoas que não querem qualquer compromisso com Deus ou com o próximo, pessoas gananciosas que querem seu lugar – muitas vezes pelo status que acreditam ter e a nossa obrigação é fazer o melhor que pudermos e os levarmos ao Reino. Devemos ter compromisso com essas pessoas e nosso relacionamento com elas deve ser integro e sem qualquer tipo de reservas e com total transparência, para sermos aprovados por Deus e cumprirmos integralmente o chamado do Pai em nossas vidas.

Lembre-se: Ide e fazei discípulos é uma ordem e não um pedido!

Que assumamos esse compromisso com Deus e com nossa igreja local: Buscar o nosso crescimento com Deus e ajudar os nossos irmãos a nos acompanharem nessa jornada de fé, para todos sejamos conhecidos como verdadeiros discípulos de Cristo.

Que Deus te abençoe!

Devocional · Espírito Santo · Ministerial

A Âncora da Alma

ancora

Quando sopram os ventos da adversidade, poucas coisas dão mais conforto do que ter uma âncora segura e firme para evitar que o barco da nossa vida seja despedaçado pelas ondas.

Li certa vez uma anedota sobre um escoteiro do mar que estava passando por um exame oral. Quando o guia perguntou o que ele faria se uma severa tempestade viesse subitamente do norte, a resposta foi: “- Eu lançaria a âncora ao mar e colocaria a proa contra o vento.” Em seguida veio a pergunta: “- E se outra tempestade viesse do sul?” O rapaz respondeu que lançaria outra âncora ao mar. Apenas por brincadeira, o guia perguntou sobre uma terceira possibilidade – outra tempestade vinda do leste! Quando o rapaz deu exatamente a mesma resposta pela terceira vez, o guia perguntou de onde ele estava conseguindo todas as âncoras. Sem pestanejar, o escoteiro respondeu: “- Do mesmo lugar de onde o senhor está obtendo as tempestades!”.

Se você é crescido o suficiente para ter experimentado o que a vida lança sobre todos nós, sabe que a analogia de uma tempestade é um termo apropriado para aquilo que ocorre com freqüência. Quando sopram os ventos da adversidade, poucas coisas dão mais conforto para um cristão do que ter uma âncora para evitar que nosso barco seja despedaçado pelas ondas.

“Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; qual temos como âncora da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu, onde Jesus, nosso precursor, entrou por nós, feito eternamente sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.” [Hebreus 6:18-20]

O autor da Epístola aos Hebreus, que eu pessoalmente acredito tenha sido o apóstolo Paulo, fez esses comentários para os cristãos judeus que estavam vacilando em sua fé. Para exortá-los, ele disse que a “esperança” é a âncora da alma. Mas depender da esperança no sentido em que se usa na frase “Bem, espero que sim”, não é o que ele está falando aqui. Agarrar-se a esse tipo de esperança não dá conforto algum quando o barco está prestes a afundar! O que os navegantes precisam durante uma tempestade é de uma âncora que possam lançar ao mar e ter confiança que ela estabilizará a embarcação e a manterá flutuando nas águas. Em outras palavras, a “esperança” deles seria uma expectativa fervorosa, em vez de uma vaga “esperança” de um último recurso.

Assim, qual “esperança” no sentido de expectativa fervorosa, estava Paulo oferecendo a eles? A resposta definitiva encontra-se em sua epístola a Tito:

“Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo.” [Tito 2:13]

Os cristãos genuínos têm sua âncora firmada no fundamento que é Jesus Cristo. Pela fé, que o próprio Deus fornece, enfrentamos as tempestades desejando ansiosamente o súbito retorno de nosso Senhor e Salvador – nossa bendita esperança. Ele nos disse que sua ascensão aos céus não seria permanente e que voltaria outra vez para nos levar para onde Ele está:

“Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. Quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.” [Ênfase adicionada]

“E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco. Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.” [Atos 1:9-1; ênfase adicionada]

Está a âncora da sua alma mantendo seu barco flutuando ou precisa admitir que algumas vezes você se sente como um homem que está se afogando e que já submergiu duas vezes e está lutando com todas as suas forças contra a terceira e última vez? (Dizem que a pessoa que está se afogando submerge três vezes.) Se você é um crente em Cristo, a letra do hino “Firme nas Promessas” deve ser de grande conforto. A segunda estrofe diz: “Firme nas promessas não irei falhar; vindo as tempestades a me consternar; pelo Verbo eterno eu hei de trabalhar; Firme nas Promessas de Jesus.”

É pelo Verbo, a palavra viva de Deus, que vamos vencer. Firmar-se nas promessas de Deus pela fé nos dá o tipo correto de esperança, mas a Palavra viva de Deus – Jesus Cristo – é a âncora que nos mantém seguros.

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens… E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.” [João 1:1-4,14; ênfase adicionada]

Meu amigo, se você reconhece que está à deriva no mar tempestuoso da vida em uma jangada improvisada (sem vela, sem remo e muito menos sem uma âncora), eu o exorto a considerar as promessas feitas por Jesus Cristo – Deus em carne. Primeiro e mais importante de tudo, Ele prometeu salvar todos aqueles que Vêm até Ele com fé absoluta – confiando totalmente Nele o destino de suas almas eternas. Mas esteja ciente que fazer promessas de ser um bom menino ou uma boa menina daqui para a frente, ou de ir à igreja, ou ajudar as velhinhas a atravessarem a rua, não bastam!

Outra máxima diz que uma pessoa que esteja se afogando se agarrará a qualquer tábua de madeira em uma tentativa desesperada de se salvar. Milhões e milhões de pessoas continuam a afundar sob as ondas enquanto se agarram às tábuas das religiões que lhes são oferecidas. Essas tábuas basicamente consistem de ensinos que dizem que a pessoa precisa fazer alguma coisa para conseguir se salvar, como fazer uma profissão de fé, tornar-se membro de uma igreja, ou ser batizada. Embora essas coisas sejam boas quando vistas dentro do contexto correto, em si mesmas elas não podem realizar o serviço. A salvação consiste simplesmente em receber a pessoa de Jesus Cristo em sua vida. Orar, fazer promessas, ir à igreja todas as vezes que as portas estiverem abertas, praticar boas obras, etc., não tem influência alguma na salvação, pois as obras pessoais não salvam.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.” [Efésios 2:8-9]

Veja o seguinte: Deus não tem obrigação de salvar ninguém. Se Ele decide fazer isso, é sempre estendendo Sua graça a cada indivíduo. Méritos pessoais ou a ridícula percepção de merecimento não O impressionam, por causa de um fato básico: nenhum de nós tem mérito algum. O melhor homem já salvo era um pecador espiritualmente morto em ofensas e pecados e merecedor de passar uma eternidade no inferno, separado de Deus, com todos os tormentos associados com esse estado.

Quando Adão deliberadamente desobedeceu a Deus e comeu do fruto proibido, o pecado como um conceito entrou em um universo moral. O resultado instantâneo foi uma “tempestade” sobrenatural além de nossa capacidade de compreensão. Ela foi tão severa que nossos pais originais, Adão e Eva, morrem imediatamente naquele dia – da forma como Deus disse que aconteceria (Gênesis 2:17). A morte instantânea foi espiritual e o efeito no longo prazo foi a morte física. Com a única exceção de Jesus Cristo, todo ser humano que nasceu desde aquele dia veio ao mundo tão morto espiritualmente quanto uma sardinha. (Efésios 2:1). Os mortos têm alguma coisa a oferecer a Deus? Romanos 8:8-9 diz claramente que não:

“Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus. Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.” [Ênfase adicionada]

A equação é bem simples: Presença do Espírito Santo na vida de uma pessoa = salvação. O corolário é: Presença do Espírito Santo = frutos demonstrados na vida. Se não há fruto, isso significa que não há raiz em Cristo!

Você foi lançado ao mar e a única âncora que tem está amarrada ao seu pescoço? Em caso afirmativo, amorosamente sugiro que invoque a Jesus Cristo e clame por misericórdia. Lance-se aos pés Dele e implore que Ele estenda graça a você, entrando em seu coração e na sua vida. Esqueça as promessas, porque você não tem nada absolutamente a oferecer, exceto a si mesmo. Se quiser realmente ter um relacionamento com Ele, tudo o que Ele pede em troca é seu amor e sua obediência.

Como você saberá que irá sobreviver? Quando um grande peixe o vomitar na terra seca, como fez com o profeta Jonas e você seguir a estrada para Nínive, em verdadeiro arrependimento e com fé, em vez de insistir em remar naquela jangada frágil que chama de vida rumo ao total esquecimento.


Fonte: “The Cutting Edge”, clique aqui http://www.cuttingedge.org

Autor: Pr. Ron Riffe
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/p276.asp

Devocional · Espírito Santo · Ministerial

Orgulho e o coração humano

CORACA PEDRA

Por Renato Santiago

Significado da palavra orgulho:  s.m. Elevado conceito que alguém faz de si próprio. / Amor-próprio exagerado. / Brio. / Altivez, soberba. / Ufania.   http://www.dicionariodoaurelio.com/Orgulho.html

Assim como todos os pecados que habitam no âmago da natureza humana, o orgulho também passou a fazer parte de nosso ser a partir da queda no Éden.

Mas esse mal já havia se manifestado antes da criação, no coração de Lúcifer, quando ele ainda era um anjo de luz, regente dos coros celestiais, vivendo em posição privilegiada dada por Deus, adornado com toda sorte de pedras preciosas. Mas ao intentar seu coração para o mal, quis ser como Deus, chegando ao ponto de almejar o lugar do SENHOR. Como consequência foi lançado fora da presença de Deus para sempre. (Ezequiel 28:13-18)

Voltando à queda no Éden, desde então nosso coração passou a ser terreno fértil para toda sorte de sentimentos, principalmente os maus. A partir do momento que escolhemos uma vida distante de Deus, fazendo nossas próprias escolhas e vivendo de acordo com nossos próprios desejos, nosso coração passou a exibir uma característica semelhante a de Lúcifer: o orgulho.

Que triste sentimento! Que pecado contra o Senhor! Pobre raça humana!

É muito comum vermos pessoas assim, orgulhosas, soberbas, cheias de si, se achando os “donos da cocada preta”. Pessoas com coração duro, com dificuldades enormes em ser contrariadas, corrigidas.

Você já parou pra pensar quantos problemas seriam evitados no dia-a-dia se fôssemos menos orgulhos?

Quantos casamentos não teriam sido desfeitos se um cônjugue não colocasse toda a culpa dos problemas no(a) companheiro(a)?

Quantos homicídios seriam evitados se houvessem mais pedidos de perdão?

Quantos pessoas permaneceriam em seus empregos se aceitassem as críticas construtivas e tentassem melhorar seu desempenho?

Quantas brigas no trânsito seriam evitadas com simples pedidos de desculpas?

Quantos desentendimentos familiares não teriam acontecido, se os filhos recebessem os conselhos e a correção dos pais como algo valioso?

Vivemos em uma época que muitas pessoas não gostam de ser contrariadas, normalmente a primeira reação a algo que vai afetar nosso ego, nosso orgulho, é a auto-defesa,  o contra-ataque (como se vivêssemos em uma constante de disputa sobre quem está certa ou errado).

É aquele ditado futebolístico: “a melhor defesa é o ataque”.

Uma irmã em Cristo definiu bem essa situação, ela disse: “as pessoas precisam aprender a ter um coração ensinável, pois são muito resistentes”. E é por aí mesmo. A maioria das pessoas odeia correção, ou até mesmo sugestão. Muitos não costumam aceitar conselhos de ninguém, se sentem inferiores assim.

Eu como cristão, servo do Deus altíssimo, pergunto aos meus irmãos em Cristo:

-Como pode uma pessoa regenerada pelo Espírito Santo ser orgulhosa, intransigente?

É impraticável a vida cristã sem humildade. O coração duro do homem é uma porta fechada ao Espírito Santo. Como poderei falar do amor de Deus se eu mesmo não tiver uma conduta condizente? Talvez seja essa uma das maiores reclamações das pessoas contra os evangélicos: o orgulho. Várias vezes já ouvi a seguinte frase: “esses crentes são metidos a besta”. E alguns são mesmo, infelizmente.

E não é por falta de bons exemplos, temos vários na Bíblia, vou citar um: Davi.

Uma passagem muito conhecida do Antigo Testamento nos leva a refletir sobre essa questão. Davi, então Rei de Israel, aproveitou-se de sua autoridade para se deitar com a esposa de um soldado (Urias), e além de levar a mulher (Bate-seba) para o palácio, ainda teve a coragem de forjar a morte do marido, colocando-o no fronte do exército. (2Sm 11:2-24)

Mas um dia Deus enviou Natã à casa de Davi, e este condenou o seu pecado, comparando suas atitudes a de um homem que mesmo tendo várias cabras e vacas decide dar a um viajante a única cordeira de seu vizinho pobre (2sSm 12: 1-7). Davi imediatamente reconheceu seus erros: “Então disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor” (2 Sm 12:13a).

Orando

Aí está a chave, o homem pecou contra Deus, mas ao ser repreendido pelo profeta do Senhor, simplesmente reconheceu seus erros e se prostrou em arrependimento. O Salmo 51 revela uma das mais belas orações contidas na Bíblia, veja um trecho: “Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias.Lava-me completamente da minha iniqüidade, e purifica-me do meu pecado. Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista, para que sejas justificado quando falares, e puro quando julgares” (Sl 51:1-4).

Mas infelizmente, hoje muitos no lugar de Davi teriam expulsado Natã de sua casa, esbravejando: “quem é você para me julgar?”, ou “Não toqueis no ungido do Senhor!!” ou então: “É Deus quem me julga!” e outras frases decoradas, que na verdade revelam que a falta de temor ao Senhor impera. O ego prevalece.

Concluindo, o orgulho é um dos sentimentos mais perversos de nosso coração, revela uma tendência a nos assemelhar a Lúcifer, é duro mas é verdade. A Bíblia é clara sobre isso: “ Antes, ele dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” (Tiago 4:6)

Mas não ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos, mas andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração malvado; e andaram para trás, e não para diante. (Jr 7:24)

Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
(2 Tm 3:1-5 )

E pra fechar,  o maior exemplo de todos:

“Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. (Filipenses 2:3-8)

Então deixe esse orgulho de lado, viva mais, ame, perdoe, ria, aprenda, ensine, ouça, cresça, seja maleável, promova a paz, você será mais feliz!

Devocional · Ministerial

Uma igreja de sucesso

Imagem igreja

Por Thiago Schadeck

Uma igreja de sucesso é aquela que a liderança não tem medo de perder o lugar, ao contrario, na medida do possível capacitam e preparam sucessores. Na igreja de sucesso, todos os líderes são servos e exercem a liderança fazendo com que Cristo sempre seja glorificado em seu ministério. Nessa igreja, os líderes não aprisionam as pessoas, a fim de serem ídolos delas, mas tornam-se apoios que ajudam as pessoas a crescerem espiritual e pessoalmente.

Os pregadores da igreja de sucesso sempre tem como centro de suas mensagens a salvação através da graça de Cristo, as pregações são totalmente bíblicas e não há lugar para invencionices ou formulas mágicas de espiritualidade. O pregador da igreja de sucesso tem sempre em mente de que só a Cristo pertence a glória e ele é apenas um instrumento usado pelo Espírito Santo e que nada que ele fale vem de si, mas de Deus, sendo assim, ele não tem qualquer mérito.

Os músicos de uma igreja de sucesso não estão preocupados com o solo do seu instrumento ou se fará a parte principal no vocal, mas buscam cantar e tocar da melhor forma possível, com o arranjo mais perfeito que conseguirem para fazer o som agradável aos ouvintes e, através da música, levarem a congregação a uma adoração genuína, olhando para Cristo e não para os que cantam ou tocam. As letras escolhidas pelo ministério de louvor são cristocêntricas,bem analisadas antes de serem levadas ao povo. Os músicos são, antes de qualquer coisa, adoradores em todos os momentos e não somente em cima do altar. O ministério de louvor da igreja de sucesso não cobra qualquer tipo de regalia e participa ativamente do culto.

O departamento social da igreja de sucesso trabalha ativamente para que as desigualdades sejam minimizadas, conscientiza os demais membros da necessidade de prestar socorro aos que estão em dificuldades. Nessa igreja, os dízimos e as ofertas não são guardados em poupanças para render juros, mas são bem utilizados no serviço ao próximo, e não necessariamente apenas com os membros da igreja. O departamento social atua em várias frentes, não somente em distribuição de cestas básicas. Se há alguém precisando refazer o telhado de casa pra parar de tomar chuva de madrugada, a igreja de sucesso o ajuda. Se alguém sofreu acidente e precisa de sangue, a igreja de sucesso doa, se alguém está desempregado, a igreja de sucesso ajuda a se recolocar no mercado de trabalho.

A Igreja de sucesso cuida do corpo e da alma das pessoas, pois reconhece que: “Corpo sem alma é defunto e alma sem corpo é fantasma”. O corpo e a alma são inseparáveis, enquanto há vida!

O ministério de teatro da igreja de sucesso é formado por pessoas que desejam pregar a mensagem de Cristo através de seus talentos de forma voluntariosa. Quem quer fazer parte desse ministério de teatro não deve se importar se será uma “árvore” ou o papel principal. As peças são planejadas com enredos que anunciam a glória de Cristo e trazem reflexão, confronta a “plateia” a ser pessoas melhores e exemplos de cristãos nesse mundo.

Os membros da igreja de sucesso sabem conviver com as diferenças entre si e se respeitam. Os membros ajudam uns aos outros a crescerem e sabem o significado de “chorar com os que choram e se alegrar com os que se alegram”. Na igreja de sucesso, os membros podem se chamar de irmãos sem medo, pois como todos irmãos, de vez em quando brigam, ficam emburrados, mas no final o amor fraternal permanece. Os membros de uma igreja de sucesso tem sede por conhecer a Deus e com isso não deixam de aprender nunca, isso inclui pastores, presbíteros, diáconos e toda a liderança.

A igreja de sucesso é conhecida como uma igreja séria, que não se vende ao mundo para atrair mais membros, mas também não vive em outra realidade. Essa igreja é totalmente envolvida nas questões sociais de onde está instalada  e impacta positivamente na vida das pessoas que de qualquer forma a cercam: membros, sociedade, políticos.

Essa igreja é a verdadeira Igreja, organismo, corpo incorruptível de Cristo, vivendo o Reino de Deus aqui nessa terra!

Essas são as marcas do verdadeiro sucesso, segundo a vontade de Deus.

Não um sucesso segundo a visão humana, onde o que importa são os números, o lucro e a fama. Mas um sucesso espiritual, de amor e de serviço a Deus e ao próximo.

A igreja de sucesso é aquela que é “Luz para o mundo” e “Sal da terra”.

Eu quero que a minha igreja seja uma igreja de sucesso. E você?

#FaçaSuaParte

 

 

 

Ministerial

Os desafios do líder

lider

Por Thiago Schadeck

A paz do Senhor!

Hoje quero compartilhar coisas que vivi ou ouvi de pessoas que aceitaram o chamado de Cristo e se empenharam no ministério que Ele entregou a cada um.
Apesar de jovem (27 anos), posso dizer que tenho uma boa experiência em trabalho na igreja, ou relacionado a igreja. Com isso passei por algumas situações direta ou indiretamente, que me trouxeram aprendizado. Tenho contato com diáconos  presbíteros e pastores sérios, que contribuíram muito com o meu crescimento e sei que esse post pode ajudar quem está passando por situações semelhantes.

Vou listar abaixo alguns dos motivos que me vierem à mente, mas se faltar algum, por favor deixe nos comentários, para virar uma segunda ou até terceira parte desse post.

Orgulho

Como seres humanos, todos temos o nosso eu, o velho homem, que tenta falar mais alto. O orgulho faz parte da natureza humana, desde a queda no Éden, temos o desejo de sermos a estrela e aparecer mais que todos. Este é um dos principais motivos da queda de muitos homens de Deus. Quando achamos que o que fazemos de bom para Deus vem de nós e não dEle, damos o primeiro passo em direção ao abismo. A auto-suficiência é um pecado grave, pois coloca Deus em segundo plano e nosso próprio eu como o centro de nossas vidas.
Todos os dias devemos lembrar que o chamado e a obra é do Senhor e não nossa. Por isso, não temos direito de fazermos, de forma nenhuma, acreditar que somos melhores que alguém, apenas porque temos um cargo de liderança.

Dinheiro

Em todas as igrejas, por menor que seja, tem um volume de dinheiro por conta dos dízimos e das ofertas, porém o pastor e toda a administração da igreja deve ter em mente que aquele dinheiro não os pertence. O dinheiro que entra deve ser usado para a glória de Deus. A igreja não pode ter qualquer tipo de pendencia financeira. Se alguém exercer  em tempo integral, deve sim, receber um salário, pois estão dedicando seu tempo e talentos na obra do Senhor, mas isso não pode ser um peso pra igreja. Se a igreja não tem condições de sustentar um pastor em tempo integral, ele deve ter um trabalho secular. O dinheiro ofertado na igreja deve ser usado para cobrir todos os gastos com o templo (claro que sem exageros e extravagancias) ,ajudar aos necessitados da comunidade de fé, prestando auxilio a necessitados da comunidade em que se encontra. O dinheiro da igreja deve ser usado para promover o Reino de Deus em todas as esferas.

Poder

Quem exerce qualquer forma de liderança, recebe poder e influência como consequência, e deve usar isso para a expansão do Reino. O   problema é que muitos usam isso para o erro, a auto promoção, para manipular as pessoas a seguirem a si e não a Cristo.
O desafio do líder é utilizar a confiança que as pessoas depositam nele como combustível do crescimento das pessoas. O bom líder gera autonomia nessas pessoas e faz com que elas saibam caminhar sozinhas, sem perder a comunhão com os irmãos. O líder deve ensinar aos liderados como ser independente sem deixar de ser interdependente.
Um dos principais indícios de que esse poder está sendo mau usado é quando as pessoas o vêem como o representante e elo de ligação com Deus e passam a acreditar que sua oração é mais poderosa, que você tem a resposta para todos os problemas.
Se você se pegou nessa situação, ainda há tempo de mudar! Concerte-se com Deus e passe a agir de forma diferente.

Desgaste e stress

Desgaste e stress são duas palavras que estão intimamente ligadas. O desgaste é parte da liderança, pois na visão dos liderados o líder não tem o direito de desligar o celular, não pode tirar uma folga ou querer curtir um dia com a família, pois eles tem problemas urgentes e ainda sem solução. Quem mais poderá ajudá-los senão o líder escolhido pelo Senhor?
É extremamente necessário que o líder tenha ao menos um dia de folga na semana para descansar e cuidar de sua família. De que adianta cuidar de uma igreja lotada e perder seus filhos? Infelizmente, a quantidade de filhos de pastores envolvidos com crimes e drogas é enorme e isso porque esses líderes não deram a devida atenção a família.

Cônjuge

Muitas vezes ministérios são enterrados pelo cônjuge, que não aceita o chamado de Deus para a vida do seu esposo/esposa. O ministério de uma pessoa tem grande influência e participação do cônjuge. Acredito que após o casamento, não somos mais dois e sim um só, como a Bíblia diz, e sendo assim o casal deve estar unido em tudo e um apoiando o outro em seu ministério. Quem não tem apoio do cônjuge, com certeza terá uma liderança conturbada e isso lhe trará prejuízos em seu chamado.
Não apoio o divórcio, por isso, após o casamento devemos ter a nossa família acima de nossa liderança ou ministério. Se isso atrapalhar a comunhão com nossa família, devemos nos afastar de nossos trabalhos até que haja harmonia no lar para podermos exercer nossas funções ministeriais eclesiásticas.

Na Bíblia temos diversos exemplos de líderes que souberam administrar com excelência o que Deus lhe entregou, que podemos destacar: Jesus e Paulo. Eles são exemplos para quem quer cumprir o chamado de Deus!

 

Ministerial

Falando sobre Batismo

Thiago Schadeck

A graça e a paz de Cristo

O assunto abordado neste post é de conhecimento de todos os cristãos, mas é um assunto muito pouco falado. Normalmente só há uma explanação maior com relação  ao batismo no momento em que as pessoas descerão às águas e na ceia. Vejamos o significado do batismo dentro da bíbia:

O que é o batismo?

De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.  (Romanos 6:4)

O batismo tem um significado espiritual. Através do batismo declaramos que não somos mais deste mundo, pois o nosso velho homem morreu e está sepultado e agora ressuscitados, devemos andar em novidade de vida. A partir do batismo, temos o compromisso com Deus de andar segundo a sua vontade e cumprir o Seu querer.

A decisão de batizar-se vem naturalmente, através de um encontro real com o Senhor. Quando nos reconhecemos pecadores, carentes da salvação que somente Deus pode dar, o batismo torna-se um passo natural e simples.

Por que me batizar?

Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (Mateus 28:19)

O batismo é uma das duas ordenanças do Senhor, juntamente com a Ceia. No momento do batismo, estou cumprindo uma ordem do Senhor e fazendo a sua vontade!

O próprio Jesus que não tinha pecado, não necessitava demonstrar arrependimento, pois não teve pecado e nem na sua boca jamais se achou engano (1 Pedro 2:22), mas ele fez questão de descer as águas e se batizou para servir-nos de exemplo a nós!

Posso me batizar por aspersão (sem entrar na água)?

Não. O significado da palavra batismo é imersão, ou seja, totalmente afundado na água. E também porque o batismo representa a “morte do velho homem”. Acredito que ninguém sepulte um morto com um punhado de terra na testa, logo temos de ser “sepultados” na água.

Em vários dos versículos que apontam para alguém se batizando faz referencia a pessoa dentro de uma grande quantidade de água, vejamos alguns:

…e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou. (Atos 8:38)

E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água… (Mateus 3:16)

…porque havia ali muitas águas; e vinham ali, e eram batizados. (João 3:23)

Preciso ficar quanto tempo me preparando para o batismo?

Esta é uma pergunta que ouço com frequência, principalmente por pessoas que chegam de igrejas tradicionais. Via de regra elas se dizem não estar prontas, e por isso não se batizaram. Alguns estão há anos na igreja, mas ainda não tomram a atitude de descer às águas por não estarem preparadas.

Eu acho de extrema coerência a pessoa desejar de batizar quando tiver a plena certeza de que o deve fazer, porém não se achar pronto pode ser uma muleta para evitar um compromisso maior com Deus. Neste caso, cabe ao líder da igreja chamar a pessoa para uma conversa e explicar a ela o que é o batismo e qual a sua importância.

Algumas igrejas preferem que as pessoas façam seis meses de curso preparatório, onde se fala mais de usos e costumes ou pode e não pode após o descer as águas que o batismo propriamente dito. Eu digo isso porque fugi seis vezes de me batizar. Entre os 12 e 15 anos eu fiz alguns desses cursos e sempre me diziam que acabaria o uso da bermuda e o futebol com amigos.

Creio que todos os pretendem se batizar devem ter sim uma conversa com algum crente mais maduro e esclarecido que possa lhe orientar sobre o batismo de uma forma bíblica, mas não é bom que demore muito para que isso aconteça para que a pessoa não esfrie. Na bíblia vemos inúmeras pessoas que se batizaram no mesmo dia ou logo em seguida a conversão, vejamos:

E logo lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e recuperou a vista; e, levantando-se, foi batizado. (Atos 9:18)

Paulo foi batizado apenas três dias após a sua conversão.

E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi batizado, ele e todos os seus. (Atos 16:33)

O carcereiro que estava cuidando de Paulo e Silas se converteu ao ouvir a pregação de Paulo nos escombros da cadeia e foi batizado na mesma noite.

E, indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? (Atos 8:36)

O Eunuco que adorava a um Deus que não conhecia, apesar de ler as escrituras, foi batizado assim que Felipe mostrou a ele que Cristo era o Filho de Deus.

E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo (Atos 2:38)

Ao ouvir a pregação de Pedro, quase três mil pessoas se arrependeram de seus pecados e foram batizados. É impossível que todos tenham sido “entrevistados” para saber se estavam realmente prontos para serem batizados. Não houve nenhuma provinha pra ver se aprenderam  as regras de usos e costumes da igreja.

Conclusão

O batismo tem um grande significado espiritual de sermos mortos para o mundo e vivermos para Deus. Todos os cristãos devem ser batizados para cumprir a ordenança de Cristo. O batismo deve ser feito por imersão e não por aspersão e tão logo a pessoa tenha crido,  já pode ser batizada.

Se você quiser acrescentar algo, por favor deixe um comentário!

Que Deus te abençoe muito e que este texto abra o seu entendimento.

@pregandoverdade

Apologético · Devocional · Espírito Santo · Ministerial

Aprendendo com a história de Lázaro

Aprendendo com a história de Lázaro

Por Thiago Schadeck

A Paz do Senhor Jesus!

Hoje quero compartilhar com vocês um assunto bem conhecido nos arraiais evangélicos, porém nas muitas vezem em que ouvi pregações sobre este tema percebi um lado meio triunfalista e um Jesus mordomo em alguns momentos. Tentarei expor minha opinião e já deixo bem claro que não sou o dono da verdade.

Meditemos então em alguns versículos, mas é muito importante que você medite em João 11:1-57 e analise se estou falando alguma bobagem.

Mandaram-lhe, pois, suas irmãs dizer: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas. (João 11:3)

Primeiro passo que Marta e Maria, as irmãs de Lazaro deram foi o de chamar ao Senhor Jesus. Muitas vezes ao vermos quem amamos sofrendo, nossa atitude é de combater com nossas forças, buscamos amuletos (lenços, óleos de Israel e etc.), levamos as fotos para o Pastor orar, mas chamar a Jesus mesmo que é bom, nada!

Outro ponto muito interessante é que elas mandam avisar que aquele a quem Jesus ama está doente. Elas sabiam reconhecer que Cristo os amava, sabiam que Cristo era poderoso para vir e curar seu irmão por um simples motivo: o AMOR!

E Jesus, ouvindo isto, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela. (João 11:4)

Jesus sabia o que aconteceria nos próximos dias e por isso afirmou categoricamente que Lazaro não morreria e que ELE, Jesus, seria glorificado através deste “incidente”. Quantas vezes questionamos a Deus o por que de um revés em nossas vidas, em vez de perguntar como Ele será glorificado através de nossas vidas. Nem toda doença vem do diabo, nem todos os problemas que enfrentamos é o diabo tentando acabar conosco. Muitos desses problemas tem a mão de Deus, para Ele nos mostrar  e nós mostrarmos ao mundo que o Deus a quem servimos é Todo Poderoso!

Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto; (João 11:14)

Ninguém disse a Jesus sobre a morte de Lazaro, mas ele com a sua onisciência já tinha tudo planejado de como faria para que o nome do Pai fosse glorificado. Devemos ter essa confiança, de que antes de abrirmos nossa boca, Jesus já sabe o que precisamos e como e quando agirá.

Chegando, pois, Jesus, achou que já havia quatro dias que estava na sepultura. (João 11:17)

Quando Jesus voltou a Judéia, Lazaro já havia morrido há quatro dias, o corpo já estava se decompondo e cheirando mal, mas Jesus não quis saber do que estava acontecendo, pois ele não olha para as circunstâncias. O que para nós é impossível, para o Senhor é questão de uma palavra. Ele sabe a hora certa de agir para que ELE seja glorificado.

Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.  (João 11:21)

Marta parece deixar a sua incredulidade prevalecer, não acreditando que Jesus pudesse ressuscitar seu irmão, mas ele só poderia tê-lo curado em vida. Mal sabia ela que o Senhor tem poder tanto para curar, ressuscitar dos mortos  ou simplesmente deixar morto, se assim for a vontade dele!

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá (João 11:25)

Aqui Jesus revela sua divindade a Marta. Quando diz que ele era a ressurreição, declarava aos Judeus que era Deus, pois a eles o poder de ressuscitar um morto era do Todo Poderoso. Neste versiculo há alguns pontos que podem ser ressaltados, quem sabe vire um post a diante, mas nesse quero ressaltar que Jesus prova aos judeus que ele é sim o Cristo, enviado e igual ao Pai.

Jesus chorou (João 11:35)

Nesse versículo Jesus mostra sua humanidade. Jesus enquanto caminhou nessa terra, foi um homem que se importou com os problemas e as mazelas do povo de tal forma que várias das curas operadas por ele foram por compaixão. Jesus foi um homem que se revelou amoroso em todo o tempo que esteve aqui na terra. Jesus considerava Lazaro como um amigo. Que privilégio!

Disse Jesus: Tirai a pedra (João 11:39)

Quando Jesus manda tirar a pedra, podemos destacar dois pontos que acredito ser a chave, vejamos:

Deus não faz aquilo que é nossa parte. Todo milagre necessita de um esforço de nossa parte, pois se não tomarmos uma atitude e ir em direção a Deus, Ele nada fará por nós.

Muitos de nós tem “pedras” que tem nos trancado mortos dentro de um sepulcro, essas pedras podem ser: incredulidade, idolatria, mágoas, falta de perdão, passado mal resolvido, pecados e outras coisas que jogam no sepulcro muitos ministérios, dons, talentos, projetos e outras coisas que o Senhor nos deu para usarmos em favor do Reino.

Clamou com grande voz: Lázaro, sai para fora. (João 11:43)

Quando tiramos as pedras de nossas vidas, podemos ouvir a voz de Cristo nos chamando para uma vida nova, fora daquele lugar de morte, onde sonhos são enterrados. Jesus mostra que mesmo quando pensamos que é o fim, ele vem e muda a história, mesmo que nosso ministério esteja morto há tempos ele pode vir e mudar todo o rumo e nos trazer para provar coisas novas ao seu lado.

Minha oração é que nós arranquemos as pedras que impedem nosso crescimento espiritual, deixando que Cristo nos leve mais longe, que nessa nova vida possamos ter muito mais dele em nós que o nosso eu. Como João Batista disse: Que Ele cresça e eu diminua!

Que Deus te abençoe muito, espero que você tenha sido muito edificado(a).

Por favor deixe sua opinião (ainda que contrária). Ela é importante!

Apologético · Ministerial

Esperamos em Cristo só nesta vida?

A paz do Senhor Jesus Cristo meus irmãos!

Há algum tempo que combato as heresias que são pregadas nos arraiais ditos evangélicos, onde são vendidas bênçãos através de carnês. Quero deixar bem claro que sou totalmente a favor de que o povo de Deus seja próspero, mas isso não pode se dar pelo fato de eu comprar a Deus, aliás a prosperidade não tem nada a ver com isso que é pregado, prosperidade não é riqueza simplesmente, prosperidade é se bem aventurado, ou seja, mais do que feliz! E todos sabemos que a riqueza por si só não traz felicidade!

“Se esperamos em Cristo só nessa vida, somos os mais miseráveis de todos os homens” (Apostolo Paulo em I Coríntios 15:19)

O apostolo Paulo, cheio do Espírito Santo, nos mostra que não devemos nos apegar a este mundo. Não podemos comprar a Deus, pois Ele é o dono do ouro e da prata (Ageu 2:8). Nós não podemos manipular a Deus com o nosso dinheiro, porque Deus não aceita recompensas (Deuteronômio 10:17).

Eu fico extremamente triste ao ver os pastores simpatississímos na TV, mas que fogem das ovelhas atrás das câmeras, pastores que ensinam a “colocar Deus na parede” (que Deus tenha misericórdia!) para conseguir o que você quer. São pastores que se forem chamados para pregarem para dez mil pessoas, vão com prazer, entretanto fogem da conversa com a mãe que acabou de enterrar um filho e necessita de um consolo. Pastores que só sabem pregar as bem aventuranças, mas não sabem pregar que cada um terá de levar a sua cruz (Lucas 9:23), que no mundo teremos aflições (João 16:33). Mas amam pregar que nós nascemos para ser cabeça e não cauda (Deuteronômio 28:18), que nós somos mais que vencedores em Cristo (Romanos 8:27). Quero deixar bem claro que creio nessas passagens também, pois elas são a Palavra de Deus, porém deve ser utilizada no contexto, pegarei como exemplo Romanos 8:37 que diz que em todas essas coisas somos mais que vencedores. O que são todas essas coisas?

Vejamos o versículo 36 para entender o que o Apostolo Paulo teve a intenção de dizer: Como está escrito, por amor a ti somos entregues à morte todo o dia: fomos reputados como ovelhas para o matadouro. Percebemos quando somos mais que vencedores? Quando somos entregues a morte por amor ao Senhor Jesus Cristo. Não significa dizer que isso são minhas finanças, na minha saúde, na minha família. Nessas coisas eu serei mais que vencedor quando eu entregar o meu caminho ao Senhor verdadeiramente, sem me preocupar com o futuro, se eu me der por satisfeito tendo o que comer e o que vestir (I Timóteo 6:8).

Hoje em dia é pregado um Jesus “Papai Noel”, um Jesus que se eu for um bom menino posso pedir qualquer coisa. Mas como podemos exigir algo de Deus, se somos pecadores (ou alguém nessa terra não peca mais?) e quando nos damos por nós, estamos pecando novamente. Não são raras as vezes que pessoas sobem ao altar para agradecer a Deus pela benção alcançada através da oração do pastor, apostolo, bispo e etc. Porém minha Bíblia diz em Tiago 5:16 que a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos. É uma tolice achar que a oração de alguém tem mais ou menos poder, o poder de uma oração não está no cargo, mas sim na sinceridade do coração.  Digo isso baseado na parábola que Jesus contou em Lucas 18:10-14 em que dois homens subiram ao templo para orar, um religioso e um não, o religioso batia no peito e se exaltava por orar e jejuar, por dar muitas ofertas, enquanto o outro sequer tinha coragem de olhar para o alto assumia-se pecador e clamava que Deus tivesse misericórdia dele. No final da parábola, o Senhor Jesus disse que esse foi justificado!

A APROVAÇÃO DE DEUS NUNCA SERÁ O SUFICIENTE PARA AQUELES QUE VIVEM DE APLAUSOS

Agora que já percebemos que a vida no evangelho não é um mar de rosas, vamos ver o que a Bíblia diz sobre as riquezas:

Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam (Mateus 6:19)

Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína; Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. (I Timóteo 6:9-10)

Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração (Mateus 6:21 e Lucas 12:34)

É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus (Marcos 10:25, Mateus 19:24 e Lucas 18:25)

Para finalizar gostaria de fazer o último comentário, em I Coríntios 1:18  “Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.”

Meus irmãos não há poder maior que a cruz de Cristo, pois foi através dela que Ele nos salvou, nos fez povo dEle, nos trouxe a paz, basta lermos Isaías 53 e veremos como o Senhor Jesus nos amou e sofreu para dar-nos a VIDA ETERNA e quantas vezes temos trocado isso por alegrias terrenas e passageiras?

Se esperamos em Cristo só nessa vida, somos os mais miseráveis de todos os homens!

Que Deus abençoe grandemente a sua vida!

 

Ministerial

Por que é tão dificil exercer um ministério?

A Paz do Senhor Jesus Cristo, meus irmãos!

Ontem conversando com um irmão de minha igreja sobre  como é difícil termos um ministério na igreja, me surgiu a idéia de criar este post para compartilhar e trocarmos experiências sobre esse assunto. Sei que há muitos bons livros sobre o assunto, mas acredito que este assunto é tão vasto que ainda cabe mais este post.

Pela graça e vontade de Deus, exerço alguns ministérios em minha igreja, mas gostaria de ressaltar dois, o Ministério de Louvor e o Diaconato. São dois ministérios que requerem muito de mim, do meu tempo e de minha dedicação. Faço parte do ministério de louvor há quase 4 anos e sempre tive de enfrentar dificuldades para exercê-lo. Comecei tendo que aprender a tocar percussão, pois disseram para o pastor que eu tocava e ele comprou o instrumento. Agora me esforço (e perco os almoços de domingo em família) fazendo aulas de canto, pois estou no vocal. Amo louvar ao Senhor e é isso que me motiva a seguir em frente até quando o Senhor tocar no meu coração e me mandar “ceder a vaga” a outra pessoa.

Mas o ministério que tenho maior dificuldade e de onde vêm as maiores afrontas de Satanás é no diaconato. Não pedi para Deus e muito manos para o pastor para ser ungido diácono, aconteceu conforme o Senhor planejou para mim. Eu apenas disse eis-me aqui, envia-me a mim (Isaías 6:8). Fui separado diácono ainda muito jovem, com apenas 22 anos, o que fez com que muitos olhassem torto e duvidassem do chamado de Deus sobre a minha vida, afinal na igreja tinha gente com mais tempo de “crente” que eu de idade. O que me ajudou muito a passar por algumas tribulações nessa área foi uma pergunta que meu pastor me fez antes de me separar:

VOCÊ ESTÁ PONTO PARA LEVAR PEDRADAS?

A após essa pergunta veio o complemento. A partir do momento que você se destaca, os olhos de todos se voltam a você, devendo ser exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza  (I Timóteo 4:12). Isso quer dizer que nós, que exercemos um ministério não podemos mais nos dar ao luxo de errar. Vamos continuar pecando e errando porque ainda não alcançamos o corpo incorruptível, mas não podemos deixar que as pessoas errem e digam que só cometeram o erro porque nos viram o cometendo também.

Certa vez em uma reunião que acabou sendo aberta para todos da igreja, um membro que tem desejo de estar no púlpito pregando, mas não tem o desejo de ir a Escola Dominical, às aulas de homilética, aparece na igreja no máximo uma vez por semana pediu a palavra e começou a conversa com um rodeio mais ou menos assim:

– Pastor, gostaria de saber se o senhor vai começar a abrir oportunidades para novos pregadores, porque a igreja aqui é uma bênção, mas só o Thiago (eu no caso), o Juliano e o Antonio que pregam e isso acaba sendo meio monótono. Não que eles não sejam bons pregadores, mas sempre eles, acaba cansando.

Confesso que aquilo me subiu o sangue e me deu vontade de responder a ele tudo o que eu queria dizer sobre a falta de vontade dele em aprender mais e a “auto suficiência” que não deixava ele ver que estava no caminho errado. Porém o pastor tomando novamente a palavra explicou ao irmão com detalhes o que nós fazíamos além de pregar, o que não vou citar aqui pois o Senhor quem deve saber. Então o irmão totalmente sem graça pediu desculpas e disse que se soubesse disso não teria criticado.

O que eu achei mais interessante nesse fato foi ver que tal qual em uma empresa tem gente que quer “subir” (ser pregador não considero subir um degrau,  mas sim descer pois agora sou ainda mais servo dos meus irmãos) e não se importa se para isso terá que criticar ou desqualificar quem faz. E isso não é só na minha igreja ou na igreja X, ou Y. Isto acontece em todas as igrejas. Por isso sempre teremos de enfrentar as pessoas nos olhando torto, nos avaliando e nos acusando de fazermos algo para mostrar para os homens. Mas certamente quem pensa assim é porque se estivesse no seu lugar assim faria.

A responsabilidade de trabalhar para o Senhor

A responsabilidade de trabalhar para o Senhor é enorme, pois temos que ser exatamente iguais na igreja e fora dela, pois temos que ter o testemunho dos que estão dentro e também dos que estão de fora  (I Timóteo 3:7). Temos de ser bem instruídos e estudiosos da Palavra de Deus para não nos desviarmos do foco (Josué 1:7), a nossa pregação deve ser única e exclusivamente a Cristo e este crucificado (I Coríntios 2:2),  que de eternidade a eternidade ele é Deus (Salmos 90:2) e espalharmos que o nosso Senhor Jesus foi nos preparar lugar (João 14: 2-4)  e um dia ele descerá dos céus, assim como os Galileus o viram subir (Atos 1:11) e que virá nos buscar para encontrarmos com ele nos ares (I Coríntios 15:50-58 e I Tessalonicenses 4:16-18) e viveremos para sempre com ele no onde  e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. (Apocalipse 2:14). Aleluia!

Temos que nos manter firmes nesta fé, porque nós viveremos pela fé, mas se nós recuarmos o Senhor não tem mais prazer em nós  (Hebreus 10:38). Vale a pena nós retrocedermos e deixarmos todas as bênçãos que o Senhor nos prometeu, sendo a maior delas a VIDA ETERNA?

A sede de poder

A sede de poder é um dos principais motivos do fracasso ministerial de muitos que já foram homens de Deus. Muitos querem pregar só para poder mostrar para seu desafeto (infelizmente há desafetos nas igrejas, sim!) que ele é um “pregador da palavra” e jogar isso na cara dos outros. 

Há também aqueles que querem pregar apenas para apontar os erros dos irmãos, do pastor ou ainda pior, para contar coisas que sabe de algum irmão que o confidenciou. Esse tipo também costuma subir ao altar e se queixar da vida, de como tem sido difícil a luta, da perseguição que ele sofre na igreja e ao invés de encorajar os outros deixando claro que o Senhor é quem lhe dá forças, ele acaba passando a mensagem de que não sabe como fará para vencer as tribulações, o que certamente desanimará a muitos.

O amor ao dinheiro

Não são poucos que querem se tornar pregadores ou até pastores por causa do dinheiro. Querem cobrar para levar a Palavra, não aprendeu que de graça recebemos e de graça devemos dar (Mateus 10:8). Hoje em dia temos verdadeiros mercenários que se a “oferta”  (eu chamaria de cachê) não for boa ele não vai pregar. Tornam-se pregadores itinerantes não por amor ao evangelho (como muitos fazem e glórias a Deus pela vida destes) mas sim porque se torna fácil ganhar dinheiro, podem pregar todos os dias e ainda receber por isso.

Mas o Senhor não quer funcionários, quer servos, verdadeiros adoradores (João 4:23) que levem a Sua Palavra com temor e tremor, sabendo que é ele quem opera em tudo em nós (I Coríntios 12:6) e sem Ele nada podemos fazer (João 15:5)

É normal um obreiro da casa do Senhor sentir medo?

Sim! E não devemos nos envergonhar disso, porque quando estamos com medo é que mais nos apegarmos ao Senhor. Quando passamos por uma situação complicada ou até mesmo com riscos é que nos lembramos de Deus. Você ora com mais vigor quando seu filho está saudável ou quando ele está entre a vida e a morte na UTI? O medo da morte do seu filho que faz você se agarrar com Deus. Minha mãe se converteu assim. Quando eu era recém nascido fui internado e cheguei ao ponto de o médico dizer que se eu fosse transferido de hospital não resistiria. Mas como isso foi o médico que disse e não Deus, hoje estou vivo para glorificar o nome do Senhor e eu e minha casa servimos ao Senhor!

O apostolo Paulo teve medo, em II Coríntios 7:5 ele escreveu:

Porque, mesmo quando chegamos à macedônia, a nossa carne não teve repouso algum; antes em tudo fomos atribulados: por fora combates, temores por dentro

Isso é o que um obreiro passa, os combates que vem de fora e o medo que vem de Dentro, mas o apostolo Paulo não deixava abater com isso e nós também não devemos. Apesar de tudo o que Paulo passou ele nunca perdeu as esperanças, muito pelo contrário, o caráter de Cristo foi forjado nele, como podemos ver em Filipenses 4:12 e 13

Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.

Paulo também nos ensinou que apesar das dificuldades, o Senhor é conosco. Vejamos em II Coríntios 4:8-9 o que ele nos diz:

Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos a perseverar ainda que com dificuldades.

 Portanto meus irmão, se assumimos um compromisso com o Senhor, o levemos a diante, pois o Senhor quem nos chamou é fiel e justo para cumprir e aperfeiçoar aquilo que Ele começou (Filipenses 1:6) e que nos coroará com uma coroa incorruptível (I Coríntios 9:25) e nenhum trabalho no Senhor é vão (I Coríntios 15:58)

Que Deus abençoe a cada um e aos seus ministérios, pois devemos ser canais de bênção da parte do Senhor a fim de levarmos a Palavra que liberta os cativos.

Por favor comentem, opinem, dividam as experiências, para que todos cresçamos juntos!

Soli Deo a glória

Maranata, ora vem Senhor Jesus!