EVANGELHO & FINANÇAS: Planejamento

Dicas simples de como se planejar para conseguir alcançar os seus sonhos materiais

Por Thiago Schadeck

Já notou que as pessoas que estão endividadas são, normalmente, aquelas que não tem um planejamento claro. São pessoas que não sabem ao certo qual o valor do seu salário – sempre fazem a conta do bruto, tem várias compras divididas em parcelas de valor baixo – mas que a soma delas compromete uma boa parte do orçamento, gastam muito dinheiro pagando juros – por conta do descontrole e, principalmente, compram por impulso. Puxe assunto com uma dessas pessoas e comece a falar sobre coisas que você comprou e não usa, a lista dela será maior, certamente. Via de regra essas compras são feitas a um preço mais alto que custaria normalmente,  em mais parcelas que deveria, comprometendo o orçamento por muitos meses e quando chegou em casa constatou que o produto não era bem aquilo que se esperava.

Jesus falou sobre esse planejamento aos discípulos. Vejamos:

“Qual de vocês, se quiser construir uma torre, primeiro não se assenta e calcula o preço, para ver se tem dinheiro suficiente para completá-la? Pois, se lançar o alicerce e não for capaz de terminá-la, todos os que a virem rirão dele, dizendo: ‘Este homem começou a construir e não foi capaz de terminar’”. (Lucas 14:28-30)

Jesus é muito claro: antes de começar, tenha certeza de que conseguirá terminar. Simples! Se tem dinheiro, compra. Se não tem, deixa para outra oportunidade. É melhor andar a pé com dinheiro no bolso que de carro e todo endividado. É melhor comer arroz e feijão em casa guardando dinheiro que em restaurantes bons pagando com o limite do cheque especial. Note que Jesus não disse para não fazer, pelo contrário, mas ele colocou um ponto importante: o planejamento.
Uma casa com porcelanato na cozinha e com paredes sem reboco na sala não é harmoniosa em sua estética. Não seria melhor colocar um piso mais barato e deixar a sala aconchegante de igual maneira?

Não adianta ser dizimista, ofertante, entregar primicias, fazer voto, ser voluntário ou qualquer outra coisa, se não souber administrar bem aquilo que lhe vem às mãos. Ter consciência de quanto ganha (salário liquido, depois dos descontos – o que realmente cai na conta) e o quanto se pode gastar. Se não se esforçar e cortar alguns gastos desnecessários agora, talvez nunca tenha o suficiente para “construir a torre” a diante. Dificilmente conseguirá comprar a casa que sonha, o carro mais novo, aquela viagem legal em família e etc. 

Precisamos ter o contentamento naquilo que possuímos. Pessoas consumistas demonstram um vazio interior que não será preenchido enquanto não aprenderem a valorizar aquilo que já foi conquistado.

Lembre-se que só há provisão para construir, se houve inteligência no poupar!

Anúncios

Você ainda não compreendeu o Evangelho se…

image

Por Thiago Schadeck

Segundo o último censo do IBGE, em 2010, o Brasil tinha, à época, 50 milhões de evangélicos. Hoje, creio que há muito mais. Somos cerca de 25% de toda a população. Claro que com esse crescimento, foi se embora aquele esteriótipo que crente é alguém pobre, com pouco estudo, fanático e ignorante. Sim, ainda existem muitos desses, mas estão muito diluidos dentre os demais grupos. Tem pobres, ricos, analfabetos, estudados, bem educados, sem educação, enfim, todo tipo de gente.

Acontece que com o inchaço da igreja – à diante você perceberá que não houve crescimento – as pessoas aderem a um novo tipo de pensamento, mas quase nunca ao verdadeiro Evangelho. Sabem de cór e saltiado as letras das músicas, mas demoram para encontrar o livro de João na Bíblia. Não conhecem as histórias bíblicas e nem o Cristo apresentado pelas Escrituras, só o da igreja. São analfabetos bíblicos!

A nossa geração de crentes se assemelha muito ao mordomo da Rainha de Candace (Atos 8:26-40), que voltava de Jerusalem, onde havia ido adorar a Deus, lendo as escrituras, porém sem entender nada. É idêntico a milhares de crentes atuias que vão à igreja, adoram a Deus e lêem a Biblia sem entendê-la. São rasos e incapazes de transmitir àquilo que crêem a alguém. Não é raro alguém não saber falar de Cristo a um necessitado e levá-lo ao pastor e delegar-lhe a responsabilidade.

Crentes com mais de 10 anos de convertidos e que não conhecem, de fato, a Deus. O Senhor é alguém distante e pouco intimo. Mal sabem explicar porque estão na igreja, quase sempre porque precisam de algo que julgam poder alcançar apenas por uma intervenção divina. E não é a salvação!

Vejamos alguns pontos que demonstram desconhecimento sobre o Evangelho verdadeiro:

Se você pensa que determina aquilo que Deus deve fazer:
Com o inchaço da igreja evangélica ocorreu um fenômeno antibiblico e demoníaco, os homens passaram a querer mandar em Deus. Não é raro ouvir em uma igreja neopentecostal que você deve exigir, decretar e determinar aqulilo que Deus deve fazer.
O Senhor é o criador de tudo, inclusive do ser humano. Se você acha mesmo que pode dizer a Deus o que Ele deve fazer, sugiro que antes se prepare para responder as perguntas que ele fez a Jó (Jó 38:4-41) ou se preferir, responda apenas a pergunta feita pelo apóstolo Paulo:
“Pois, quem jamais conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.” (1 Coríntios 2:16)
Ninguém é capaz de aconselhar a Deus acerca do que é melhor. Ter a mente de Cristo é exatamente o contrário, é submeter-se totalmente à vontade do Pai (Filipenses 2, Mateus 26:39)

Se você pensa que o Diabo tem poder sobre a sua vida:
Tem crentes convertidos há anos e que ainda pensam que Satanás pode fazer o que quiser com suas vidas. Certamente não foram bem instruídos biblicamente. São neuróticos e vêem a ação do Diabo em tudo, mas sequer conseguem ver o agir de Deus no seu dia a dia. Alguém realmente salvo, que teve um encontro verdadeiro com Cristo, que tem o Espírito Santo habitando em si, tem a plena convicção de que maior é o que está em nós.
Para exemplificar bem isto, podemos usar a história de Jó. Deus não permitiu que o Diabo fosse além daquilo que Ele havia autorizado. O Senhor, apesar de permitir o sofrimento de Jó, não o abandonou à sua própria sorte em momento algum, Deus não mandou Jó se virar com o Diabo, mas supervisionou tudo em todo o tempo.
Além disso, Cristo venceu o inimigo na cruz:
“E a vós, quando estáveis mortos nos vossos delitos e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-nos todos os delitos; e havendo riscado o escrito de dívida que havia contra nós nas suas ordenanças, o qual nos era contrário, removeu-o do meio de nós, cravando-o na cruz; e, tendo despojado os principados e potestades, os exibiu publicamente e deles triunfou na mesma cruz.” (Colossenses 2:13-15)
Quando aqueles que rodeavam a cruz pensavam que o Salvador havia sido derrotado, Cristo, na verdade, estava alcançando a maior vitória da humanidade: a vitória sobre a morte e o pecado! Depois da cruz a possibilidade de salvação se tornou real, agora todos tem acesso à Deus. O véu está rasgado!

Se você pensa que a oração de uns é mais poderosa que de outros:
Basta ligar o rádio ou a tevê para encontrar pastores alegando que farão uma oração especial ou forte para você, porque eles têmse consagrado para buscar a sua vitória e assim Deus te atenderá. Isso é MENTIRA!
Deus não se comove com essas coisas e nem permite terceirizarmos a nossa fé. Temos de entender a diferença entre intercessão e transferência de responsabilidade. Na intercessão alguém me ajuda em oração, o que é correto e bíblico. Devemos participar dos sofrimentos de nossos irmãos, mas isso não nos dá o direito de transferir a responsabilidade da luta em oração a outra pessoa. Seja quem for!
E aos que defendem à pratica porque crêem que Deus ouve mais aos seus queridinhos, proponho que leia a parábola do Fariseu e o Publicano, contada por Jesus em Lucas 18:10-14. O justificado da história não foi o religioso arrogante que pensava ter uma linha direta com Deus, mas o pecador confesso e humilhado.
Davi escreveu no Salmo 34:18:
“Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.”
Deus não se ilude com nossos biquinhos de choro e sentimentalismo barato. Ele vê o nosso coração e sabe o quão quebrantados estamos.

Se você pensa que sua oferta compra o favor de Deus:
Diariamente as estações gospel transmitem centenas de testemunhos de pessoas que alcançaram alguma bênção após se associar a um projeto de ofertas para manter a programação no ar. Vendem isso como se a forma de ter o favor de Deus fosse comprando. É o espírito de Simão, o mágico, perambulando em meio às igrejas. Se você não sabe quem foi Simão, não Pedro, mas o mágico, leia Atos 8:9-25 e compreenderá a história.
Resumidamente, os apóstolos passaram pregando por várias cidades, em uma delas Simão ouviu a mensagem do Evangelho e passou a segui-los. Chegou a se batizar e acompanhar os apóstolos pelo caminho – tornou-se crente! Certo momento, ao ver os milagres sendo operados pelos apóstolos, Simão teve uma idéia brilhante: oferecer dinheiro para obter o mesmo poder. Infelizmente ele não contava que faria a proposta a um homem de Deus e não a um corrupto, como os que vemos hoje. A resposta de Pedro, o Simão cristão da história, foi clara e direta: “Mas disse-lhe Pedro: Vá tua prata contigo à perdição, pois cuidaste adquirir com dinheiro o dom de Deus.” (Atos 8:20)
Lamentavelmente hoje há muitos oferecendo o poder de Deus nas banquinhas de camelô dos púlpitos. Esqueceram apenas que Deus não aceita suborno (2 Crônicas 19:7).
Como um ser humano imagina que poderia mover o coração do dono do ouro e da prata, usando dinheiro? TUDO É DELE!

Se você pensa que há pecados mais graves que outros:
Os crentes se especializaram em categorizar os pecados. Uns são considerados leves, outros extremamente pesados, alguns imperdoáveis. A Bíblia é explícita em dizer que o único pecado sem perdão é a blasfêmia contra o Espírito Santo. Todos os outros são pecados iguais e capazes de nos levar ao inferno, caso não haja arrependimento verdadeiro.
Por que ainda insistimos em condenar homossexuais, mas fingimos não ver a mentira que contamos? Por que o adultério é tão grave aos nossos olhos, mas a inveja é tratada como uma mera admiração?  Por que temos os católicos como idólatras, mas ai de quem falar do nosso líder?
No frigir dos ovos, pecado grave é aquele que o outro pratica, os meus Deus releva porque sabe que sou pecador arrependido. É sempre mais fácil condenar o outro pelo pecado diferente do meu. Difícil mesmo é abandonar os meus e imitar a Cristo.

Existem vários outros pontos que demonstram o desconhecimento ao Evangelho verdadeiro e oro para que Deus nos ilumine e mostre se o que temos seguido é realmente o Caminho ensinado por Ele. Cristo é o modelo perfeito, o imitemos e certamente seremos pessoas muito melhores.
Que a revolta com o pecado comece por nós mesmos, depois pela nossa igreja e por fim, a sociedade que não conhece a Deus. Se formos como Jesus, enxergaremos uma alma necessitada de salvação por trás do pecado e não o contrário.  Haverá mais compaixão com os que perecem.

7 loucuras do Lucinho

Por Thiago Schadeck

Lucio Barreto Jr. é “pastor de jovens” da Igreja Batista da Lagoinha e ganhou notoriedade nacional e até em outros países por conta de seu estilo – apesar de ter passado dos 40 anos, se veste, age  e fala como um adolescente – e pelas “loucuras por Jesus”. Ele ministra o “Seminário Loucos por Jesus” Brasil a fora e ensina aos jovens como ser um crente radical. Desde que ganhou notoriedade, Lucinho marcou sua caminhada com polêmicas. Ele também escreve livros para jovens e tem uma grife que produz as roupas que ele veste e que abarrotam os guarda-roupas de seus seguidores.

 

1- Cheirar a Bíblia para atrair os jovens:

image

Essa foto deu a projeção nacional que Lucinho queria. Até ter a brilhante idéia de tirar uma foto cheirando a Bíblia, como se fosse uma carreira de cocaína, Lucinho era apenas um ilustre desconhecido da Lagoinha.
Na época a repercussão dessa foto gerou debates acalorados entre os crentes, de um lado os “loucos por Jesus” que se defendiam com o argumento de que isso teria feito muitos jovens voltarem à igreja, mas nunca conseguiram me apresentar nenhum.
A Bíblia é enfática em afirmar que devemos ser diferentes do mundo, em diversas passagens, Jesus e os apóstolos mostram que o caminho percorrido pelos ímpios os levará à perdição. Paulo diz aos Romanos que eles não devem se amoldar ao padrão desse mundo (Rm 12:2), aos tessalonicenses ele diz que deveriam fugir da aparência do mal (1 Ts 5:22).
Esse gesto do Lucinho só mostra que ele quer usar o mundo para tirar os jovens do mundo.

2- Manda os policiais matarem os bandidos:

Ele usa a referência de Paulo aos Romanos como “licença para matar”,  mas não se atenta a um detalhe: o texto não diz para as autoridades sairem matando a bandidagem ao seu bel prazer, mas que eles são investidos de autoridade para manter a ordem.
Claro que o policial pode, eventualmente, acabar matando um bandido em uma troca de tiros ou em legítima defesa, mas isso não lhe dá, em momento algum, o direito de descarregar a arma em cima de ninguém, como o Lucinho defende.
Isso é apologia à violência. O policial, principalmente o cristão, deve se lembrar sempre de que o trabalho dele é proteger a população e não o de fazer justiça com as próprias mãos.
Como o Lucinho disse, ninguém vai pedir por favor que os traficantes larguem a vida do crime, mas por outro lado, Jesus nos ordenou a pregar o evangelho essas pessoas. Lembre-se do ladrão da cruz, ele está com Cristo no paraíso. Jesus não jogou na cara de que ele era bandido e realmente precisava morrer, mas lhe assegurou a vida eterna.

3- As esposas de Caim e Abel

Seja por ignorancia ou para defender sua visão, estranhamente, o Lucinho não citou a possibilidade mais aceita pelos teólogos, que Caim e Abel se casaram com suas irmãs. Simples assim. A Bíblia relata a criação apenas  de Adão e Eva e mais ninguém. Todos os que vieram depois deles, foram gerados através da gravidez decorrente do sexo, como é hoje. Importante ressaltar que nessa época Deus permitia o casamento entre irmãos por um motivo óbvio: era necessário povoar a terra e só havia uma família sobre ela.
Se Deus tivesse interesse em fazer mais algum ser do pó da terra, certamente o teria feito após a queda de Adão e Eva e manteria sua criação pura e próxima de si.

4- Autopredestinação

Esse medo de responder que não sabe responder sobre algum assunto tem matado muitos líderes. O Lucinho poderia ter dito que não sabia responder ou não ter selecionado essa pergunta para ir ao ar, mas sua presunção, maior que seu topete, não deixa. Nem entro aqui no mérito de ser calvinista ou arminiano, pois há séculos já existe essa discussão entre predestinação e livre arbítrio e não acabará tão cedo. Se é que acabará um dia!
O que pesa aqui é uma resposta sem pé e nem cabeça, em que o Lucinho lê UM versículo, sai divagando num raciocínio confuso e conclui com o seu achismo de costume. Dizer que a pessoa se auto-predestina é a mesma coisa que afirmar que Deus não poderia fazer nada para que ela não fosse para o inferno, porque essa é a escolha dela. O Deus Todo-Poderoso deixou de governar para ver o que as pessoas decidem por Ele.
A nossa natureza caída e corrompida sempre irá tender para o que é mal, para o pecado e se Cristo não nos atrair ao Pai para que o Espírito Santo nos regenere, de forma alguma a nossa situação mudará.

5- MMA e lutas violentas

Só pra variar, o Lucinho lê um texto bíblico para respaudar sua resposta, mas o abandona para colocar seus achismos no lugar das escrituras. Faltou o Lucinho falar que aqueles que lutavam nas arenas, o faziam por uma coroa corruptível e Paulo nos orienta a lutar pela coroa eterna, mas em vez disso prefere aconselhar a bater mesmo pra não perder o “respeito no esporte”. Para coroar as comparações esdrúxulas, ele ainda diz queo futebol é um esporte violento, o que prova que ele também não sabe nada sobre o esporte mais popular do país. Futebol tem regras e qualquer violência é punida, para isso tem o árbitro e os cartões amarelo e vermelho. O futebol é um esporte de contato, com trombadas, disputas firmes, brigas por espaço, mas disso para violento tem um abismo maior que as bobagens que esse rapaz diz.
Em tempo, não sou contra cristãos praticarem artes marciais como exercício físico, mas isso não é alibe para sair baixando a pancada em todo mundo “em nome do esporte”. Eventualmente pode sobrar um soco ou chute errado, mas machucar o oponente não deve ser a regra, pelo menos para os cristãos.

6-Chamou as pessoas de lixo, defendendo o Thalles

Quando surgiu a polêmica com o Thalles (Veja aqui) e o mundo caiu sobre o rapaz da “pressão”, o “homem dos 3”, Lucinho, que é muito amigo de Thalleco, decidiu tomar as dores e defendê-lo. Se disse assustado de como as pessoas estavam criticando o Thalles pelas suas declarações e diz que Jesus soltou o tubarão (Thalles) no aquário para provar os peixes, que traduzindo, ele quis dizer que o Thalles falou aquele monte de besteiras usando toda a sua arrogância para Deus provar o nosso coração e que ele está certo.
Logo em seguida ele solta a pérola: “se você vai pra internet e mete o pau no cara, que tipo de cristianismo é esse que você vive, SEU LIXO? Pois é, o homem do “não critico, só elogio” chama os que denunciaram a soberba de lixo, mas não repreendeu seu amigo que se disse acima de tudo e de todos. Evangelho de conveniência!

7- Preso por tumultuar a festa do Preto Velho

E para encerrar com “chave de tolo” a história que ele conta às gargalhadas, mas que na verdade deveria ter lhe dado cadeia por intolerância religiosa, depredação de patrimônio e perturbação. Temos de entender de uma vez por todas que o Brasil é um país laico – brigamos tanto por isso para colocar a bíblia nas escolas- e portanto cada um adora o deus que quiser. Se temos direito de fazer a Marcha para Jesus, os camdomblecistas tem direito de fazer a festa do Preto Velho. Direitos são direitos.
Lucinho diz que juntou um monte de adolescentes “perturbados” para ir com ele fazer evangelismo, mas a certa altura da festa eles foram descobertos e os adolescentes fugiram, menos um, o Diogo, que ficou parado ao lado dele. Quando o Lucinho percebeu, virou para o garoto e disse: “sai daqui desgraça”, a linguagem pouco educada também é uma marca do referido pastor. A polícia chegou e eles foram presos, mas o garoto não se continha de felicidade e o Lucinho solta mais uma pérola: “sua mula, agora sua mãe me mata”, carinhoso, não?! O garoto estava todo feliz porque tinha sido preso “por causa de Jesus”, fico imaginando os apóstolos de Cristo vendo essa sandice, certamente ensinariam a eles que ser preso por amor a Cristo era muito mais que isso. Eles eram presos por PREGAR O EVANGELHO e não por fazerem arruaça nas festas dos ídolos pagãos.
O desfecho da prisão é pior que a história em si, a viatura encostou e o policial, que também era crente, mandou eles voltarem a ‘evangelizar’ na festa. Por essas e outras que nem policiais e nem crentes são bem vistos no Brasil mais. Se o policial foi chamado para resolver um problema, o mínimo que se espera dele é que cumpra a lei, independente de qualquer outra circunstância. Depois que eles voltaram e a festa acabou, começaram a dança da vitória, rodeando a imagem e imitando índios, como um monte de crianças imbecilizadas.
O pior de tudo vem no encerramento do “testemunho”, quando o Lucinho diz, gargalhando, que um adolescente veio correndo com um pedaço de ferro na mão e deu a ele dizendo ser uma lembrança por aquele dia, era o cachimbo do Preto Velho. Parece que o Lucinho achou isso bonito, comtou com alegria e orgulho.
Esse mesmo povo que vibra com histórias como essa se indigna quando vêem pessoas queimando bíblias, transexuais simbolizando Cristo na Parada Gay, igrejas sendo atacadas e outras coisas. Se inventiva a intolerância, aguente os intolerantes.
O Lucinho não poderia encerrar uma história grotesca como essa sem soltar uma frase do mesmo nível: “se não tem loucura na sua vida, é porque está faltando o Espírito Santo controlar”. Estranhamente não vejo nem Jesus e nem os apóstolos fazendo essas bizarrices nos relatos bíblicos.

Que Deus conceda graça e que o Lucinho desperte dessas loucuras e use toda sua influência para levar os jovens a Cristo e não a experiências de crianças mimadas e idiotilizadas. Ele já passou da idade de fazer essas coisas.
Que os jovens sejam despertados pelo Evangelho puro e simples de Cristo!

Em tempo, antes de vir com o “não julgueis”, “o que você está fazendo pelo reino?”,”quantas pessoas você já ganhou pra Jesus?”, “pelo menos ele está pregando o evangelho” e coisas desse tipo, que ouço toda hora, te convido a refletir se o que esse camarada tem ensinado  (registrado nos vídeos acima) está de acordo com a Bíblia. Se não estiver, não está ganhando almas, nem está fazendo nada pelo reino, não ganha almas e tampouco é evangelho.

Facebook: http://www.facebook.com/PregandoaVerdade
Twitter: http://www.twitter.com/pregandoverdade

7 Maneiras de Combater o Evangelho da Prosperidade

idolatria-ganancia

 

Por Sugel Michelén

14 de Abril de 2014 

“Ser pobre é pecado” (Robert Tilton).

“Se agradarmos a Deus, seremos ricos” (Jerry Savelle).

“Deus quer que seus filhos vistam as melhores roupas, […] dirijam os melhores carros e tenham o melhor de tudo; apenas peça o que precisa” (Kenneth Hagin, Sr.).

Essas são afirmações desconcertantes, porém comuns dos pregadores do “evangelho da prosperidade”. O deus deles é uma espécie de empreendedor cósmico que pode ser usado através dos dízimos e das ofertas para alcançar o que realmente importa: uma vida próspera em termos meramente terrenos.

“Foge também destes”

Paulo nos constrange a ficar longe de “pessoas que têm a mente corrompida e que são privados da verdade, os quais pensam que a piedade é fonte de lucro” (1Tm 6.5). E em sua segunda carta a Timóteo, ele adverte seu filho na fé que “nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, […] mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes!” (2Tm 3.1-5).

Pedro também nos avisa que, assim como houve falsos profetas entre o povo de Deus na antiga aliança, “surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade. Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram” (2Pe 2.1-3; cf. Jd 11-16).

Infelizmente, apesar dos avisos claros das Escrituras, o evangelho da prosperidade possui um enorme e crescente grupo de seguidores. Isso não é difícil de entender, visto que a mensagem apela tão diretamente à nossa ganância natural. Ainda assim, é triste e desconcertante ver que tantas pessoas permanecem no movimento por um longo tempo, até mesmo por toda a vida, uma vez que os pregadores não são capazes de cumprir suas promessas.

A psicologia do evangelho da prosperidade

Por que o evangelho da prosperidade é tão atraente? Como ele ganha e mantém seguidores? Eu recentemente conversei com um irmão que esteve envolvido no movimento por 10 anos, que lançou alguma luz sobre a psicologia do evangelho da prosperidade.

    1. Um deus facilmente manipulado

O evangelho da prosperidade é atraente porque nos oferece um deus facilmente manipulado. Apesar dos ataques dos ateístas militantes nas últimas décadas, o homem não pode eliminar do seu coração a ideia de Deus, porque Deus deixou evidências de sua presença em toda a criação e deu ao homem a capacidade de entender essa evidência (Rm 1.18-21). O que torna o evangelho da prosperidade atraente para o homem caído é que ele parece colocar Deus do seu lado, eliminando o obstáculo da sua santidade e soberania.

O deus desses evangelistas não é aquele revelado nas Escrituras, de quem devemos nos aproximar segundo as condições que ele estabeleceu. Em vez disso, o deus deles é uma combinação do gênio da lâmpada de Aladim com um psiquiatra todo-poderoso, que pode ser facilmente manipulado através de ofertas e “palavras de fé”.

    1. Culpa e ganância

Segundo, o evangelho da prosperidade atrai as pessoas porque ele cria um ciclo de culpa e ganância. Quando as ofertas de riquezas ou saúde demoram para se materializar, as pessoas culpam a si mesmas por sua falta de fé ou por não serem generosas o suficiente. Essa culpa, combinada com a ganância em seus corações, as mantém agarradas às promessas desses falsos evangelistas, assim como o viciado em jogatina volta ao cassino diversas vezes esperando que um dia terá sorte.

    1. Temor religioso

Tais “evangelistas” tendem a inculcar temor religioso em seus seguidores para que eles não ousem questionar “o ungido do Senhor”. Isso impede a capacidade de seus ouvintes de objetivamente analisar o conteúdo da mensagem e a dicotomia evidente entre o estilo de vida deles e o modelo apresentado pelas Escrituras, sobre como o ministro do evangelho deve viver (1Co 4.9-13; 2Co 4.7-11, 11.23-28).

    1. Mordomia traz prosperidade

Outro fator que sustenta a propagação desse falso evangelho é que alguns experimentam, de fato, um grau de prosperidade financeira como consequência de colocar em prática princípios gerais de boa administração que aprendem em tais igrejas. Isso parece confirmar a legitimidade da mensagem que, por sua vez, aumenta a ganância em seus corações, pois “quem ama o dinheiro jamais dele se farta” (Ec 5.10).

Instruções para imunização

Como podemos imunizar nossos ouvintes contra essa ameaça? Eu tenho sete sugestões.

  1. Ensine-os a ler a Bíblia em seu contexto. Os pregadores da prosperidade citam as Escrituras, especialmente o Antigo Testamento, mas negligenciam os contextos geral e imediato dos textos que citam.
  2. Apresente claramente as exigências do evangelho (Mc 1.14-15; At 2.38, 3.19, 26) e o verdadeiro discipulado (Mc 8.38-37; Lc 14.25-33; Fp 1.29).
  3. Inculque neles o espírito dos bereianos (At 17.11). Uma coisa é respeitar a autoridade pastoral (Hb 13.17), mas outra coisa muito diferente é seguir cegamente um líder mesmo quando ele se afasta dos claros ensinos das Escrituras (Rm 16.17-18; Fp 3.17-19).
  4. Pregue sobre as advertências da Bíblia contra a ganância (Pv 23.4-5; Lc 12.15; 1Tm 6.6-10, 17-19; At 13.5-6).
  5. Ensine-os que Deus é bom, sábio e soberano na dispensação de seus presentes. Nem todos os seus filhos serão prósperos e saudáveis deste lado da eternidade, mas todos experimentarão o mesmo amor e cuidado paternal manifestado de diversas maneiras para a sua glória e o bem das nossas almas (Jn 11.3; Fp 2.25-30; 1Tm 5.23).
  6. Ensine-os em como lidar com a tensão de ser um filho de Deus vivendo em um mundocaído (Jn 15.18-21; 17.14-16; At 11.13).
  7. Acima de tudo, apresente Cristo como a pérola de grande valor, que infinitamente ultrapassa em valores qualquer coisa que este mundo transitório possa oferecer (Mt 13.44-46; Fp 3.7-8).

Tradução: Alan Cristie

Fonte:  http://www.ministeriofiel.com.br/artigos/detalhes/668/7_Maneiras_de_Combater_o_Evangelho_da_Prosperidade

Carta de Campina Grande – O compromisso da Igreja com o Evangelho Genuino

Na noite de encerramento do 16º Encontro para a Consciência Cristã, nesta terça-feira (04/03/2014), todos os 32 preletores do evento lançaram um documento, a “Carta de Campina Grande”. Nele, os palestrantes reafirmam e reasseguram o seu compromisso com o genuíno Evangelho de Cristo, sua defesa e sua pregação por todo o Brasil e todo o mundo.
 
Nós, do Pregando a Verdade, concordamos em 100% com essa carta e assumimos o compromisso de buscar viver esse evangelho com todas as nossas forças! Continuar lendo