Ideologia de gênero

Por Thiago Schadeck,

Imagine a seguinte cena: você se depara com um adolescente de doze anos de idade que passa por uma crise de anorexia. Apesar de pesar apenas 26kg ainda se vê como uma pessoa obesa, diz que não está satisfeita com seu corpo e deseja mudar. Implora, chorando, que você o ajude e consiga com algum amigo médico que ele faça uma cirurgia bariátrica, a popular redução de estômago, para que enfim o corpo ideal, desenhado em sua mente, seja alcançado. Você o ajudaria e buscaria um médico para operá-lo?

Para você entender melhor, coloco aqui a definição de anorexia:
De acordo com a medicina, distúrbios psicológicos causam em certas pessoas uma distorção da imagem corporal, fazendo com que se vejam sempre como gordas, mesmo estando já muito magras e debilitadas pela falta de ingestão de alimentos.” (Grifos meus)
(Fonte: https://www.significadosbr.com.br/anorexia)

Tenho certeza que você não ajudaria o adolescente a fazer essa cirurgia. Antes, encaminharia o caso a um psiquiatra, que teria a competência necessária para tratar desse assunto. O anoréxico é na verdade alguém que tem uma visão errada sobre seu próprio corpo. A sua mente projetou uma expectativa fantasiosa e que o faz se sentir com num corpo que não é o seu. É como se seu corpo estivesse numa casa grande demais e ele precisasse transformá-la em um loft.

Se os pais desse adolescente acreditassem que ele realmente precisa de uma cirurgia para reduzir o estômago para viver bem e fossem procurar um médico para realizar o procedimento, provavelmente seriam denunciados à justiça e o conselho tutelar tomaria a guarda do adolescente. Claro! É incabível fazer uma cirurgia dessa magnitude para corrigir uma visão destorcida que um adolescente recém saído da infância tem de si mesmo.

Agora pense em um outro exemplo: um outro adolescente, também com doze anos de idade, acredita piamente que nasceu num corpo errado e não consegue se aceitar no padrão de gênero imposto a ele. Para resolver essa questão,  faz-se um procedimento de troca de gênero. O adolescente, seja homem ou mulher – nos padrões “patriarcais retrógrados”, começa a receber hormônios do sexo oposto, o que deforma completamente seu corpo. Agora sim ele terá o corpo dos sonhos. Vai viver feliz e contente com o corpo do sexo que deseja ter. Até passar por todo o tratamento e poder amputar o pênis, no caso dos homens. No caso das mulheres, não é possível “implantar” um pênis, apenas a remoção das mamas. O que acontece nesses casos não é a troca de sexo e sim a mutilação do corpo. Mas ainda há um problema, não é possivel mudar seus órgãos internos, portanto a estrutura continuará a “original”.

Deixo um questionamento final: esse procedimento irreversível não é algo sério demais para ser decidido antes da maioridade? Não é razoável deixar uma criança que mal sabe decidir o que vai almoçar escolher se quer ou não receber doses cavalares do hormônios em seu corpo. 

Com essa idade a maioria dos adolescentes ainda não tem idéia do que “querem fazer quando crescerem”, muitos ainda sonham em ser bombeiros, mas já quiseram ser astronautas e jogadores de futebol. São tão voláteis no que diz respeito ao que vão estudar e trabalhar no futuro, como teriam tanta certeza na questão do gênero?

Elas devem receber todo o apoio psiquiátrico durante a infância e adolescência e quando tiverem idade e maturidade para decidir que realmente é isso que desejam, que seja feito o procedimento que eles quiserem, mas na infância e adolescência não! Isso é se aproveitar da fragilidade de um inocente para escravizá-la em suas ideologias.

A mídia tenta a todo custo nos fazer acreditar que isso se trata de uma coisa normal e que devemos aceitar a idéia de uma criança decidir sobre seu sexo, mas é a mesma mídia que critica quando uma criança decide não seguir os padrões que ela impõe. Se um menino quiser virar menina, ok! Se uma menina quer ser dona de casa quando crescer é porque se rendeu ao sistema machista patriarcal.

Os militantes da “defesa” LGBT não descansarão enquanto não conseguirem imputar nas mentes mais frágeis, principalmente das crianças, que se você não é feliz com o seu corpo, eles podem te ajudar. Inclusive, eles podem tirar seus pais do caminho, caso sejam contra sua atitude. Isso está declarado com todas as letras no projeto de lei 5002/2013, de autoria dos deputados Jean Willys (PSOL/RJ) e Érica Kokay (PT/DF):

Artigo 5º – Com relação às pessoas que ainda não tenham dezoito (18) anos de idade, a
solicitação do trâmite a que se refere o artigo 4º deverá ser efetuada através de seus representantes legais e com a expressa conformidade de vontade da criança ou adolescente, levando em consideração os princípios de capacidade progressiva e interesse superior da criança, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente.

§1° Quando, por qualquer razão, seja negado ou não seja possível obter o consentimento de algum/a dos/as representante/s do Adolescente, ele poderá recorrer ele poderá recorrer a assistência da Defensoria Pública para autorização judicial, mediante procedimento sumaríssimo que deve levar em consideração os princípios de capacidade progressiva e interesse superior da criança.

Artigo 8º – Toda pessoa maior de dezoito (18) anos poderá realizar intervenções cirúrgicas
totais ou parciais de transexualização, inclusive as de modificação genital, e/ou tratamentos
hormonais integrais,
a fim de adequar seu corpo à sua identidade de gênero auto-percebida.

§1º Em todos os casos, será requerido apenas o consentimento informado da pessoa adulta e
capaz. Não será necessário, em nenhum caso, qualquer tipo de diagnóstico ou tratamento
psicológico ou psiquiátrico
, ou autorização judicial ou administrativa.

§2º No caso das pessoas que ainda não tenham de dezoito (18) anos de idade, vigorarão os
mesmos requisitos estabelecidos no artigo 5º para a obtenção do consentimento informado.

Você pode ler o projeto de lei completo AQUI e tirar suas conclusões sobre a canalhice que estão fazendo, tornando lei uma prática que mutila crianças e os transforma naquilo que eles querem que elas sejam. Note que o PL descarta o laudo psiquiátrico,  sendo assim, a criança pode acordar se sentindo no sexo errado e sem o consentimento dos pais, trocar de gênero. De acordo com essa lei, a vontade da criança é soberana, sendo assim, se essa mesma criança tiver vontade de ter relações sexuais com um adulto, ela poderá, pois sua vontade sobrepõe à outros preceitos, logo, o adulto não poderá ser criminalizado como pedófilo. Reparou como esse projeto demoníaco tem outras implicações sérias? 

Como pai, jamais aceitarei que imponham sobre meu filho idéias de que ele pode fazer o que quiser com seu corpo. Como pastor, sempre lutarei para conscientizar as pessoas que nosso corpo faz parte do plano perfeito de Deus para nós e que somos templo do seu Espirito, tendo a responsabilidade de zelar por ele. Seja na questão da “sexualidade” quanto no cuidado com saúde, alimentação e etc.

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s